Rádio Observador

Segurança Social

A Segurança Social e o conservadorismo da esquerda /premium

Autor
234

As teorias conspirativas não se podem sobrepor ao subfinanciamento do Estado Social. O problema está à nossa frente e obriga-nos a tomar decisões impopulares em nome da solidariedade inter-geracional.

1. Se há tema em que se vê claramente o conservadorismo da esquerda portuguesa é a Segurança Social (SS). Um conservadorismo que é sinónimo de inércia e comodismo e que tem a avestruz com a cabeça bem enterrada na areia como a imagem de marca. Não reformar de forma estrutural para resolver o problema de vez, não mexer nos direitos adquiridos dos pensionistas, não ligar aos sinais evidentes desde há mais 20 anos sobre a insustentabilidade do nosso Estado Social e adiar com a barriga os problemas estruturais de financiamento do sistema de SS — é a prática política que o PS e a extrema-esquerda defendem desde sempre, o que contrasta com o ‘acordar para a realidade’ que o PSD e o CDS tiveram nos últimos anos.

Não admira, por isso, que esse tom conservador tenha marcado a reação do Governo por via do ministro Vieira da Silva a (mais um) estudo meritório financiado pela Fundação Francisco Manuel dos Santos (FFMS) e executado por académicos de uma entidade pública (o ICS — Instituto de Ciências Sociais). Desta vez, contudo, houve uma novidade: além do habitual discurso do “está tudo controlado, não se preocupem”, o PS resolveu adotar as teorias conspirativas dos extremistas do Bloco e do PCP: o estudo da ICS/FFMS só aparece porque os malandros da direita e os malvados capitalistas querem abrir o financiamento das pensões ao setor privado segurador. É o que se chama atirar areia para os olhos da Opinião Pública através de uma atitude ideologicamente cega e despropositadamente de fação quando estamos perante um problema nacional e inter-geracional.

2. E o que diz o estudo da FFMS/ICS? O óbvio:

  • a SS, tal como está, não só é inviável, como a prazo vai colocar em causa o crescimento da economia devido aos défices do sistema que, a partir de 2027, terão de ser financiados pelo Fundo de Estabilização Financeira da Segurança Social. Esta dotação é, neste momento, de cerca de 18 mil milhões de euros e só deverá chegar para pagar os défices crónicos até 2038;
  • Trocado por miúdos: como os descontos da população ativa não vão chegar para pagar as pensões a pagamento, o Estado vai ter que transferir cada vez mais dinheiro dos impostos para o orçamento da Segurança Social. Só em 2016, as pensões da Segurança Social e da Caixa Gera de Aposentações, somaram cerca de 22,2 mil milhões de euros — um peso de cerca de 14% na riqueza total do país;
  • Portugal é dos países europeus em que a despesa com pensões mais subiu. Cresceu, entre 2000 e 2015, 4,9 pontos percentuais do PIB – muito acima do crescimento médio registado nos países da Zona Euro, que foi de 1,3 pontos percentuais;
  • Situando o número de nascimentos por cada mulher em idade fértil entre 1,25 e 1,5 (devia ser de 2,1 para assegurar a substituição de gerações, o que já não acontece desde 1982), “a população deverá diminuir perto de 23%: de 10,2 milhões para 7,9 milhões de pessoas até 2070;
  • O aumento da esperança média de vida, por outro lado, fará com que o número de pensionistas passe de 2,7 milhões em 2020 para 3,3 milhões em 2045. Em 2070, “mais de um terço da população (36%) terá 65 anos ou mais, o que compara com pouco mais de 22%, em 2020”.
  • Conclusão: a diminuição da população em idade ativa (deverá diminuir quase 37% até 2070) vai limitar, ”de forma decisiva, o potencial de crescimento da economia portuguesa” entre 2020 e 2070, fazendo com que as taxas (médias) de crescimento do PIB Potencial da economia portuguesa se situem entre os 0,8% e os 1%.” Valores que se situam muito abaixo da taxa média de crescimento da União Europeia a 27.

Não há teorias conspirativas do PS e da extrema-esquerda que permitam apagar ou eliminar esta dura realidade. Está aqui, à frente dos nossos olhos, e obriga-nos a pegar o ’touro pelos cornos’ e a tomar decisões difíceis, impopulares mas necessárias em nome da solidariedade inter-geracional.

Não deixa de ser surpreendente que o ministro da Segurança Social que criou o fator de sustentabilidade que, na prática, já aumentou a idade da reforma dos 65 para os 66,4 anos, rejeite uma proposta que, no fundo, defende uma solução semelhante mas com um prazo maior (de três anos) por, entretanto, a situação se ter agravado.

Além do conservadorismo, também há aqui puro oportunismo político por parte do PS e dos seus aliados. A esquerda e a extrema-esquerda não querem afrontar os direitos adquiridos pensionistas atuais (e os futuros pensionistas) porque já beneficiam de um conjunto significativo de votos desse grupo eleitoral — cada vez mais numeroso e com alta taxa de participação eleitoral. Veja-se o caso de Passos Coelho que cortou pensões durante o período de assistência financeira, o que ainda hoje faz com que o PSD pague caro por essa medida.

3. A pergunta que se impõe, contudo, é simples: será que é justo uma desigualdade inter-geracional cada vez mais intensa? Durante muito tempo — tempo demais face aos avisos do inverno demográfico que existem desde os anos 90 — foram possíveis regras de cálculo extremamente generosas. Uma delas foi a dos melhores 10 dos últimos 15 anos. O que obviamente fazia com o valor das pensões fosse especialmente elevado, visto que os últimos anos da carreira contributiva assentam em salários mais altos.

A minha geração, como as mais novas, além de serem obrigadas a terem uma pensão assente na média de toda a carreira contributiva (o que faz com que a reforma seja mais baixa), vão ter uma pensão que será de dois terços do seu salário médio. Repito: dois terços. Ou seja, 66% do seu salário médio — quando muitos dos atuais pensionistas recebem mais do que descontaram por via de regras de cálculo como a dos melhores 10 dos últimos 15 anos.

Por alguma razão, e em nome dessa solidariedade inter-geracional, o Fundo Monetário Internacional (FMI) propôs em 2013 algo que a esquerda e a extrema-esquerda nunca aprovarão:

  • corte de 15% em todas as pensões acima da Pensão Social;
  • a equiparação das fórmulas de cálculo da Segurança Social (SS) e da Caixa Geral de Aposentações (CGA), com efeitos retroativos, visto que os funcionários públicos usufruem de fórmulas significativamente mais generosas;
  • igualar os valores das Pensões Mínimas da Segurança Social e da CGA.

Estas propostas, juntamente com as que foram apresentadas agora no estudo da FFMS/ICS, são inevitáveis. Porquê? Por duas razões:

  • A economia portuguesa tem um crescimento económico anémico desde 2000 e, por muito que António Costa não goste de ouvir isto, o crescimento ligeiramente acima da média europeia dos últimos dois anos, não resolve o problema e não há grandes perspetivas de melhoras;
  • Sem crescimento populacional, sem crescimento económico digno desse nome, sem crescimento dos salários e do poder de compra (em queda face à media europeia desde também há 20 anos), não é possível aumentar o número de ativos e muito menos o valor das contribuições para a Segurança Social em volume significativo.

E quando forem colocadas em cima da mesa, não poderão ser ignoradas — como aconteceu nos anos 90 com as conclusões mais impopulares do “Livro Branco da Segurança Social” que, no tempo de Ferro Rodrigues como ministro da Segurança Social, foram pura e simplesmente colocadas na gaveta por pura cobardia política.

Mais tarde ou mais cedo, a esquerda vai ter de ser confrontada com a realidade.

Texto alterado às 12h01m

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: lrosa@observador.pt
Rui Rio

O centro-direita tem solução? /premium

Luís Rosa
105

O futuro do centro-direita deverá passar pela federação de liberais, conservadores e dos que desejam uma alternativa ao PS. Sem uma oposição forte, é a democracia que fica posta em causa.

Segurança Social

A dívida implícita de Portugal

José Marques

Nos últimos 40 anos, período no qual se deu a maioria da acumulação desta dívida implícita, houve uma acumulação média, silenciosa, de dívida equivalente a mais de 10% do PIB por ano.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)