Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A questão é recorrente: como garantir a saúde e o futuro do sistema de pensões em Portugal? É preciso cortar nas pensões? Será preciso aumentar as contribuições dos trabalhadores ou dos empregadores? Ou é preciso aumentar a idade legal da reforma (a via escolhida nos últimos anos) que está nos 66 anos e cinco meses? Ou será melhor alterar o formato do sistema, tornando-o mais parecido com o modelo sueco, por exemplo?

Um estudo encomendado pela Fundação Francisco Manuel dos Santos ao Instituto de Ciências Sociais parece ter poucas dúvidas: há vários caminhos para assegurar a sustentabilidade do sistema de pensões em Portugal, mas um parece ser o melhor. Mas implica que cada português tenha de trabalhar mais 3 anos, até aos 69, antes de se poder reformar.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.