Angola

Angola: Será que vamos saber a verdade sobre 27 de Maio de 1977? /premium

Autor
160

Resta saber até onde as autoridades angolanas estão prontas a ir na revelação de documentos e factos que esclareçam o que realmente aconteceu aquando do "golpe de Nito Alves" e da sua brutal repressão

Angola está a ser palco de grandes mudanças políticas impulsionadas pelo Presidente João Lourenço, mas resta ainda saber se se trata de uma ruptura com a política criminosa passada do MPLA ou de apenas meias-medidas para dar um ar mais humano ao regime.

No dia 19 de Novembro, o Jornal de Angola, órgão oficial do poder em Luanda, tem como título principal: “Governo reconhece excessos do 27 de Maio” e acrescenta que  Francisco Queiroz, ministro da Justiça e dos Direitos Humanos, “reconheceu ter havido reacção excessiva aos acontecimentos que se seguiram à tentativa de golpe de Estado de 27 de Maio de 1977”.

“Houve execuções e prisões arbitrárias. Tudo isso está um pouco esquecido, mas precisamos lembrar para que não volte a acontecer”, acrescentou o ministro.

Trata-se de uma declaração importante, pois é um reconhecimento esperado por milhares de angolanos que viram seus parentes presos e assassinados.

Nesse dia, segundo a história oficial do MPLA, Nito Alves e mais uma série de “radicais de esquerda” tentaram realizar um golpe de Estado com vista a derrubar o Presidente Agostinho Neto. Este e os seus adeptos insinuaram que a União Soviética teria estado por detrás do “cabecilha da insurreição”, que uns meses antes representara o MPLA num dos congressos do Partido Comunista da URSS.

Com a ajuda de tropas cubanas instaladas em Luanda, Neto não só conseguiu derrotar a tentativa de “golpe de Estado”, como lançou uma onda de violência indiscriminada que levou à morte de um número desconhecido de pessoas, mas que deverá andar pela ordem dos milhares.

No meu livro “«Golpe Nito Alves» e outros momentos da história de Angola vistos do Kremlin”, publicado em 2013, defendo, com base em documentos dos arquivos da ex-URSS e testemunhos de diplomatas soviéticos que na altura se encontravam em Luanda, que não se tratou de um golpe de Estado, que a União Soviética não apoiou Nito Alves e que foi apanhada desprevenida pelos acontecimentos. Além disso relato o papel de alguns dos homens de Neto, por exemplo Lúcio Lara, na chacina levada a cabo pelo regime.
Entre as vítimas das atrocidades contaram-se José Van-Dunem e Sita Valles, ele irmão da actual ministra da Justiça portuguesa e ela antiga dirigente da União dos Estudantes Comunistas portugueses.

Agora resta saber até que ponto as autoridades angolanas estarão dispostas a ir na revelação de documentos e factos que esclareçam o que realmente aconteceu a 27 de Maio de 1977.

Se tal passo for dado, tratar-se-á de um grande contributo para o processo de reconciliação nacional. Mas, por enquanto, João Lourenço faz lembrar Nikita Khrutschov (1894-1971), um dos camaradas do ditador soviético José Estaline. Tendo participado com este nas purgas e matanças, que provocaram milhões de mortos na URSS entre 1924 e 1953, veio, em 1956, denunciar numerosos crimes do regime comunista e deu origem a um processo que na sociedade soviética ficou conhecido por “degelo”. Como não levou o processo até ao fim, foi derrubado por Leonid Brejnev, que ocupou o cargo de Secretário-Geral do Partido Comunista da União Soviética entre 1964 e 1982.

O Presidente angolano estudou vários anos numa academia militar de Moscovo e deve ter estudado também esse período da história soviética. Por isso é bom que esteja atento e leve as reformas a bom porto.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Comunismo

Quem tem medo da revisão da História? /premium

José Milhazes
2.520

Senhor deputado, você fez-me lembrar a sua colega Rita Rato que, sendo formada em Relações Internacionais na Universidade Nova, não sabe o que foi o “Gulag” criado por Lénine, Trotski e Estaline. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)