Rádio Observador

Eleições Europeias

As contas de cabeça do Professor Marcelo

Autor

Aceitei a contestação, mas coloquei água na fervura do descontentamento. Chamei a atenção para algo que tinha ficado nas entrelinhas presidenciais. Algo que me tinha arrancado um sorriso.

A reclamação chegou através dos alunos. Uma turma a saborear os últimos dias da Licenciatura. Gente habituada ao uso rigoroso da terminologia. Pessoas pouco predispostas a deixarem passar qualquer lapso. Três anos na Universidade deixam marcas.

Estavam incomodados. Não percebiam a forma como o Presidente Marcelo Rebelo de Sousa tinha feito as contas. Está bem que a Matemática não faz parte das disciplinas específicas de Direito, área científica da especialidade do Presidente, mas há procedimentos básicos que têm de ser acautelados.

Era por isso que não aceitavam que, no rescaldo das eleições para o Parlamento Europeu, o Presidente tivesse dito que dois-terços dos portugueses eram pró-europeus. Adicionar os votos obtidos pelos três partidos do outrora denominado arco governativo – PS, PSD e CDS-PP – e pelos recém-criados Aliança e Iniciativa Liberal, era claramente insuficiente como argumento, mesmo que a soma atingisse o valor indicado pelo Presidente.

Lembraram que a taxa de abstenção tinha sido quase 70%, mais exatamente, 68.64%. Por isso, os valores avançados por Marcelo estavam inflacionados. E de uma forma muito exagerada.

Na realidade, o Presidente, apesar de representar a República Portuguesa, não dispõe de competência constitucional para englobar na designação de pró-europeístas todos aqueles que não se deram ao trabalho de ir votar. Certo que o povo defende que quem cala consente, mas usar o provérbio neste caso é claramente abusivo. Até porque numa eleição não é como no casamento. Quem não se pronuncia num ato eleitoral não está obrigado a permanecer calado até ao resto da vida.

Aceitei a contestação, mas coloquei água na fervura do descontentamento. Chamei a atenção para algo que tinha ficado nas entrelinhas presidenciais. Algo que me tinha arrancado um sorriso.

De facto, ao indicar os partidos portugueses pró-europeus, Marcelo Rebelo de Sousa estava, ainda que de forma implícita, a referir os partidos que se opunham à opção europeia por parte de Portugal.

Fiz questão de realçar que, na minha ótica, não tinha sido por lapso ou esquecimento que o Presidente omitira na sua lista pró-europeísta o Bloco de Esquerda, o PCP e o PEV. Uma omissão em linha com aquilo que venho escrevendo há anos, apoiado em estudos e relatórios internacionais. Como, por exemplo, aqueles que são produzidos pela Fundação Timbro ou pelo European Council on Foreign Relations.

Verdade que a primeira instituição é mais dura – chamemos-lhe assim – no uso da terminologia. Chama populista totalitário ao PCP e populistas autoritários ao Bloco de Esquerda e ao PEV. O European Council é mais suave. Contenta-se em incluir o BE e a CDU nos partidos e coligações antissistema. Uma terminologia a que António Costa, no décimo dia da campanha, já tinha recorrido. Uma prova de que não há nada melhor do que as sondagens favoráveis para que a língua fique mais solta.

A turma aquietou-se. Só que a discussão não terminou. Havia uma dúvida a exigir reflexão. Prendia-se com o PAN. O partido que constituiu a novidade dos resultados eleitorais e para o qual António Costa já começa a olhar como possível interlocutor ou aliado.

Como o PAN se recusa a ser de direita ou de esquerda, queriam saber se o incluía nalguma das modalidades de populismo: socioeconómico, cultural ou antissistema.

Como fui apanhado de surpresa e ainda não tive tempo para me debruçar sobre a forma como o PAN articula o discurso, limitei-me a adiar a discussão. É que, com alunos deste calibre, não me posso permitir falar de improviso.

Professor de Ciência Política

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Portugal: um país anestesiado

José Pinto
253

A um país anestesiado basta acenar com o Simplex, versão revisitada. Ninguém vai questionar. A anestesia é de efeito prolongado. O problema é se o país entra em coma.

Jovens

O Presidente e os Jovens: Ato Um, Quarta Cena

José Pinto

Não parece abusivo dizer que as preocupações do Presidente com a juventude transmitem uma sensação de "déjà vu": os jovens destinatários dos discursos iniciais já fazem parte da atual geração grisalha

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina
134

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Legislação

Menos forma, mais soluções /premium

Helena Garrido

É aflitivo ver-nos criar leis e mais leis sem nos focarmos nas soluções. A doentia tendência em catalogar tudo como sendo de esquerda ou de direita tem agravado esta incapacidade de resolver problemas

PSD/CDS

A beira do precipício

José Ribeiro e Castro
105

A visão da beira do precipício serve para despertar. Se não querem deixar Portugal totalmente submetido à esquerda, PSD e CDS têm de fazer mais no tempo que falta. Sobretudo fazer melhor. E desde já.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)