Rádio Observador

Política

Consenso? Só se for o PS a mandar

Autor
222

A cada grandolada, ao primeiro rumor da Aula Magna, uma parte da direita lembra-se do PREC e suspira: como tudo seria mais fácil na companhia do PS

Durão Barroso já se conformou: acordo entre as “principais forças políticas” para um “plano de médio prazo”, só depois de eleições legislativas. Então — e só então–, surgirá “naturalmente”. Mas foi Fernando Medina, o vice de António Costa, quem, em entrevista a Maria João Avillez, explicou porque tem de ser assim. Na linguagem da chicana partidária, disse isto: com Pedro Passos Coelho, nunca haverá acordo. O que, traduzido em português, quer dizer isto: só poderá haver acordo, se o PS ganhar as próximas eleições.

Para muita gente, os acordos de regime são uma questão de moderação doutrinária. Bastaria a direcção do PS impor-se à “ala esquerda”, ou o PSD reverter à “social democracia”. Tudo isso é conversa. O consenso entre as “principais forças políticas”, conforme sugere Fernando Medina, não é uma questão de ideologia, mas de correlação de forças: o PS jamais aceitará qualquer compromisso, acordo ou coligação, enquanto não estiver em condições de nomear o primeiro-ministro. É esta a chave dos entendimentos governativos no actual regime português: só são possíveis na medida em que o PSD ou o CDS aceitarem subordinar-se ao PS.

Que o PS deseje que seja assim, é compreensível. Mas por que razão julga o PS que pode ser assim? Pela mesma razão que há, no PSD, uma imensa fila de candidatos a Sancho Pança de António Costa, mas no PS, não há nem nunca haverá ninguém para fazer de vice de Passos Coelho, de Rui Rio, ou de quem quer que seja o líder do PSD. O facto é este: o PS acredita que a direita em Portugal não tem licença para governar sem ser sob a sua tutela, e muita gente à direita acredita na mesma coisa.

Este Tribunal Constitucional (e tudo aquilo que ele representa) é um grande trunfo socialista. O PS é único partido que pode governar “legalmente”, mesmo quando as políticas são as mesmas da direita (como os “cortes de Sócrates”). Mas o PS tem ainda outra vantagem: o PCP e a extrema-esquerda. À direita, julga-se que comunistas e neo-comunistas, esterilizados para fins governativos, são bons para desviar votos do PS. Talvez sirvam para isso, mas também para outra coisa: sempre que cai na oposição, o PS sai da frente e deixa à solta o sindicalismo comunista e o jornalismo de extrema-esquerda, confiando em que, com a ajuda de um ou outro socialista oportunamente “radicalizado”, saberão criar a “crispação” e a “contestação social” suficientes para confundir a direita governativa.

Não é difícil. Em 1975, a direita foi amestrada para se submeter ao PS, que os EUA e a Igreja Católica ungiram para encabeçar a resistência anti-comunista. A cada grandolada, ao primeiro rumor da Aula Magna, uma parte da direita lembra-se do PREC e suspira: como tudo seria mais fácil na companhia do PS. Neste esquema de pressão sobre a direita, só um elemento falta hoje aos socialistas: um Presidente da República disposto a tirar as “devidas ilações” do último acórdão ou do próximo manifesto. Daí a impaciência do PS com o professor Cavaco Silva.

O PS nunca será o parceiro menor de uma coligação, como o SPD é agora na Alemanha. Quem no PSD sonha com um “Bloco Central” deve pensar que, para o PS, a fórmula não significa um contrato entre iguais, mas a submissão do PSD. Com o PS a mandar, haverá sempre mais impostos, mas nunca revisão constitucional ou reforma do Estado. O PS, como se compreende, não tem motivos para renunciar às vantagens que lhe dá este regime. Resta saber se CDS e PSD ainda vão tentar renovar a maioria, ou se, pelo contrário, já só pensam em quem será o primeiro a dobrar o joelho perante o dono do regime.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

O país onde a política morreu /premium

Rui Ramos
157

As más finanças, a estagnação económica e o envelhecimento demográfico tiraram oxigénio a tudo o que relacionávamos com direita e esquerda em Portugal. Há apenas governo e oposição.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)