Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

1Quero começar por deixar claro que rejeito discutir o sistema judicial com base em protagonistas. Por uma razão simples: não acredito em homens providenciais nem em claques perfeitamente ridículas sobre o juiz bom ou o juiz mau. As melhores instituições são aquelas que vivem para lá e apesar das pessoas.

É precisamente por isso que vou defender a existência do Tribunal Central de Instrução Criminal. Porquê? Porque os partidos parlamentares podem ter a tentação de querer acabar com este tribunal na ressaca da decisão-bomba do juiz Ivo Rosa e das críticas às decisões díspares tomadas pelos atuais dois magistrados titulares do Ticão. Repito: não vou discutir nem pessoas e muito menos decisões.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.