Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Todos os que passaram dos 40 anos de idade se lembrarão seguramente de um filme extraordinário chamado Filhos de um Deus menor. É protagonizado por uma atriz surda-muda, que representa uma personagem também surda-muda (não sei se na novilíngua de hoje ainda se pode dizer surda-muda, mas para mim não há eufemismos nem nomes fofinhos para dar ao que nada tem de fofinho). O filme chama-se assim para dar um murro no estômago de todos os que ignoravam, ocultavam ou disfarçavam a existência destes filhos… nossos e também de Deus!

Foi um filme que nunca me abandonou e cujo nome ficou sempre na minha cabeça, pela lucidez crua que em si próprio trazia!

Não sei se por causa deste filme, se pela sua fama, se pela demonstração pública e nunca mais ocultável da vida de todos estes filhos, existe até hoje uma voile de reconhecimento desta realidade, desta existência, das suas necessidades, carências, das suas vidas limitadas, dos seus sofrimentos e das suas lutas. Mas uma voile que à maior parte permite disfarçar, falar do chá que está agradável e do último jogo do Porto que não correu tão bem e ignorar o elefante que está no meio da sala.

E daí nasceu também uma necessidade de mostrar, a espaços, as ações de discriminação positiva que o Estado e as entidades públicas proporcionam para lhes dar apoio. As tais medidas fofinhas: criou-se uma de inclusão, acabaram-se as escolas especiais, passou a haver graus de incapacidade (e mesmo isso há-de ter os dias contados) e meninos diferentes. Mas os nomes e as medidas foram pensadas, como de costume, num gabinete em Lisboa e carecem de qualquer noção do mundo real destes filhos. São programas fofinhos de apoio aos deficientes profundos: o arranjar uma maca e um carro de bombeiros que leve e traga da escola uma criança cujo drama é ter nascido com uma paralisia cerebral profunda que a impede de ver, ouvir, comunicar, movimentar-se ou coordenar qualquer tipo de movimentos ou reações; ou o deslumbre da recolha de deficientes profundos, de um lar onde vivem, para assistirem a um jogo de futebol… (Desista já, quem quiser dizer que estou a menosprezar esses meninos, porque sei bem do que falo e de quem falo) Mas estas imagens dão pontos, dão imagens bonitas, merecem ser fotografadas e mostradas ao público… que melhor demonstração de inclusão do que os meninos incapacitados dos lares a assistirem felizes a um jogo de futebol?

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Muitos anos depois daquele filme e enquanto tudo se ia desenvolvendo, esta narrativa e ficção conveniente, tive uma filha deliciosa… uma doçura de bebé, linda de morrer. Um sorriso fácil, uma reação rápida uma apreensão pronta dos estímulos que lhe eram apresentados. Uma coisinha deliciosa de se abraçar e amar.

Nessa coisinha doce, reactiva e sorridente, veio mais tarde a ser diagnosticado um caso leve de paralisia cerebral: anda, vê, aprende, como poucos de nós, mas tem dificuldades motoras na mão direita e alguma dificuldade ao nível da abstração de conceitos.

Como pessoa completa, as situações que tem vivido em todas as escolas por onde tem passado não têm contribuído para que se torne mais sociável ou menos receosa… e por isso mais feliz. Só graças a alguns professores e pais fora de série, que criaram meninos fora de série, ela se começou a sentir menos sozinha… não foi seguramente por causa por medidas fofinhas ou planos e programas de qualquer órgão público para melhorar a sua vida, nem por legislação criada para esse efeito.

E foi assim que, bastantes anos depois, me questionei sobre o título do filme de que falei. Porquê filhos de um Deus menor? Porque têm de lutar o triplo dos outros meninos para mostrarem o seu valor? Porque têm de pedir para ser aceites e gostados pelos seus pares? Então este epíteto não está certo: estes nossos filhos são filhos de um Deus Maior! Um Deus que os dota de capacidades ilimitadas de combater a adversidade, de superar as suas dificuldades, de aumentar a riqueza da sua personalidade, fazer orelhas moucas a quem os diminui, que os dota de uma enorme capacidade de superação e de fé no que de melhor aí virá e os faz acreditar uma e outra vez que há sempre um amanhã e que pessoas boas virão para os acompanhar.

Estes nossos meninos são filhos de um Deus muito Maior!

Infelizmente para nós e para eles, são poucos os que têm a sabedoria, formação ou inteligência para perceber o seu valor.

Para os nossos decisores, estes filhos não são nada. Não têm voz, não dão votos. Estes são os que não dão nas vistas. Estes falam, ouvem, andam e vêem… não são bons para a fotografia. Não dão palco ou chamam atenções. Levá-los a ver um jogo de futebol não aparece como algo fora do normal… Não vale a pena! Não vão dar imagens sensação, nem vão ser retrato de caridade fofinha e fotogénica.

Em política fala-se sempre em apoiar jovens carenciados… e com isto fala-se em  carências económico-financeiras. Mas nem todos os jovens carenciados são os que não têm possibilidades financeiras… carenciados são todos os que têm carências: emocionais, psicológicas, motoras, sociais, mentais, etc.

Só que estes não ficam giros na fotografia.

Nós não somos uma família carenciada. Gracas a Deus, temos a possibilidade de proporcionar à nossa filha o melhor que há e de que podemos lançar mão… mas o que é dos que não podem e não têm? Esperam pelo fisiatra, que talvez, daqui a um ano, possa ir de 15 em 15 dias uma hora à escola? Vivem do apoio de que a Professora de Ensino Especial dispõe para repartir por 52 meninos diferentes, em turmas e dias diferentes, anos diferentes e com dificuldades diferentes?

E se quiserem usar do apoio de alguém que patrocinem eles próprios, os pais podem fazê-lo? Não podem! Há que nivelar por baixo em tudo.

E terapia ocupacional? A nossa filha tem, mas os meninos da escola pública onde andava não tinham, porque não havia quem chegasse para tantos pedidos…

A minha filha é filha de um Deus Maior! Lutadora, persistente, teimosa, perseverante, cheia de garra e de vontade de vencer… o nosso Estado preocupa-se em transformá-la num activo em vez de um centro de custos? Não! Para o Estado ela é como os outros: é filha de um Deus menor…

Para mim, que vivo neste mundo, todos estes meninos são filhos de um Deus Maior! De um Deus enorme que os dota e apoia nos momentos de auto-superação, de poderes sobre-humanos que têm que vencer sozinhos. Porque se não forem eles próprios, não vai ser o Estado que vai fazer nada por eles. Eles não fazem parte dos que que ajudam à propaganda da “inclusão”.

Eles não qualificam como filhos de um Deus menor.

Eles são os filhos de um Deus Maior! E nós somos os seus pais!