Homossexualidade

Hereges e beatas

Autor
  • Luis Teixeira
2.601

Eu percebo que gente como a deputada Isabel Moreira não faça a mínima ideia do que é uma “verdade científica” sobre a homossexualidade. Mas já custa ver a professora Ana Matos Pires repetir a tolice.

O que está a ser feito ao dr. Gentil Martins a propósito das considerações que teceu sobre os homossexuais na entrevista que deu ao Expresso é grave. Não está em causa saber se o dr. Gentil Martins tem ou não tem razão (eu acho que não tem). Nem está em causa o direito que assiste aos que dele discordam de contestar as suas ideias com a veemência toda que entenderem. Mas está em causa que daí se passe à ameaça e à perseguição. Pois foi a isso que assistimos na última semana: não à refutação (já não digo civilizada mas, ao menos, ordeira) das afirmações do dr. Gentil Martins, mas ao insulto e à intimidação.

Os argumentos usados são um disparate. Gentil Martins é colocado no pelourinho por, sendo médico, ter feito afirmações supostamente ao arrepio da “verdade científica”. Eu percebo que gente como a deputada Isabel Moreira não faça a mínima ideia do que é uma “verdade científica”. Mas já me custa ver a professora Ana Matos Pires repetir a tolice. A professora Ana Matos Pires deve saber que as “verdades científicas”, ao contrário de outras “verdades” (religiosas ou ideológicas), não passam de hipóteses de trabalho. A ciência médica não tem, portanto, verdades sobre a homossexualidade, como não tem nem deve ter verdades sobre coisa nenhuma. Nem, de resto, são elas necessárias. O respeito pelas orientações sexuais de cada um não é matéria de ciência, mas de educação e civilidade.

Ao disparate soma-se a malevolência: é assim que, onde Gentil Martins afirma que “Não vou tratar mal uma pessoa porque é homossexual, mas não aceito promovê-la”, há quem leia: “não aceito promover um homossexual” (no sentido de promoção na carreira). É a leitura que faz a professora Ana Matos Pires, servindo o mal-entendido para suportar a queixa à Ordem, com o argumento de que Gentil Martins teria violado o artigo 107º do Código Deontológico, onde se lê que “constitui dever dos médicos, nas suas relações recíprocas, proceder com a maior correcção e urbanidade”. Não sei onde ficaram a correcção e a urbanidade da professora Ana Matos Pires em tudo isto.

Sobram as declarações do dr. João Semedo, para quem perseguir Gentil Martins por causa da opinião que expressou não é censura nem viola a liberdade de opinião. Porquê? Porque a opinião de Gentil Martins é “contrária à posição da OM” e errada “do ponto de vista médico e científico”. Donde se conclui que a Ordem dos Médicos ganhou, para o dr. João Semedo, estatuto de infalibilidade e que ele e a professora Ana Matos Pires andaram na mesma escola.

Os esbirros do doutor Salazar não fariam melhor.

Tudo isto é beato, pidesco e miserável. Já não há paciência.

Médico

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Terrorismo

O melro de Rushdie /premium

Luis Teixeira

Foi há 30 anos e Khomeini tinha uma razão mesquinha para lançar a fatwa que condenava Rushdie à morte: precisava de congregar à sua volta as multidões desiludidas com o fiasco da guerra com o Iraque.

Crónica

O regresso do Rei

Luis Teixeira

Os professores acreditam que os 9 anos, 4 meses e 2 dias de tempo de serviço congelado hão-de sair do nevoeiro da dívida e os enfermeiros, que os 68% de aumento hão-de chegar com a maré. 

Amor e Sexo

As agruras dos 50

Luis Teixeira

Entre as afirmações de Moix na entrevista há coisas potencialmente muito mais ofensivas do que dizer que não gosta de mulheres com mais de 50 anos, mas curiosamente não houve mais nenhum sobressalto

TVI

Ana desleal /premium

Laurinda Alves
5.526

Os meios não justificam os fins e nesta reportagem os meios são infames e no fim não há provas de nada. Nada nos é apresentado que confira com aquilo que nos foi anunciado. E isso é grave. E é desleal

Jovens

Nos desculpem, queridos millennials /premium

Ruth Manus

Millennials, nos desculpem. Tem uma parcela de culpa de todo mundo nisso. Dos pais, da escola, do mercado de trabalho, da indústria, das redes sociais. E, sim, temos coisas a aprender com vocês.  

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)