Homossexualidade

Hereges e beatas

Autor
  • Luis Carvalho Rodrigues
2.601

Eu percebo que gente como a deputada Isabel Moreira não faça a mínima ideia do que é uma “verdade científica” sobre a homossexualidade. Mas já custa ver a professora Ana Matos Pires repetir a tolice.

O que está a ser feito ao dr. Gentil Martins a propósito das considerações que teceu sobre os homossexuais na entrevista que deu ao Expresso é grave. Não está em causa saber se o dr. Gentil Martins tem ou não tem razão (eu acho que não tem). Nem está em causa o direito que assiste aos que dele discordam de contestar as suas ideias com a veemência toda que entenderem. Mas está em causa que daí se passe à ameaça e à perseguição. Pois foi a isso que assistimos na última semana: não à refutação (já não digo civilizada mas, ao menos, ordeira) das afirmações do dr. Gentil Martins, mas ao insulto e à intimidação.

Os argumentos usados são um disparate. Gentil Martins é colocado no pelourinho por, sendo médico, ter feito afirmações supostamente ao arrepio da “verdade científica”. Eu percebo que gente como a deputada Isabel Moreira não faça a mínima ideia do que é uma “verdade científica”. Mas já me custa ver a professora Ana Matos Pires repetir a tolice. A professora Ana Matos Pires deve saber que as “verdades científicas”, ao contrário de outras “verdades” (religiosas ou ideológicas), não passam de hipóteses de trabalho. A ciência médica não tem, portanto, verdades sobre a homossexualidade, como não tem nem deve ter verdades sobre coisa nenhuma. Nem, de resto, são elas necessárias. O respeito pelas orientações sexuais de cada um não é matéria de ciência, mas de educação e civilidade.

Ao disparate soma-se a malevolência: é assim que, onde Gentil Martins afirma que “Não vou tratar mal uma pessoa porque é homossexual, mas não aceito promovê-la”, há quem leia: “não aceito promover um homossexual” (no sentido de promoção na carreira). É a leitura que faz a professora Ana Matos Pires, servindo o mal-entendido para suportar a queixa à Ordem, com o argumento de que Gentil Martins teria violado o artigo 107º do Código Deontológico, onde se lê que “constitui dever dos médicos, nas suas relações recíprocas, proceder com a maior correcção e urbanidade”. Não sei onde ficaram a correcção e a urbanidade da professora Ana Matos Pires em tudo isto.

Sobram as declarações do dr. João Semedo, para quem perseguir Gentil Martins por causa da opinião que expressou não é censura nem viola a liberdade de opinião. Porquê? Porque a opinião de Gentil Martins é “contrária à posição da OM” e errada “do ponto de vista médico e científico”. Donde se conclui que a Ordem dos Médicos ganhou, para o dr. João Semedo, estatuto de infalibilidade e que ele e a professora Ana Matos Pires andaram na mesma escola.

Os esbirros do doutor Salazar não fariam melhor.

Tudo isto é beato, pidesco e miserável. Já não há paciência.

Médico

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: [email protected]
Eutanásia

Compaixão ou impiedade?

Luis Carvalho Rodrigues

Nenhum debate sério sobre a eutanásia pode deixar na sombra este ponto: ao contrário do que é dito, a eutanásia não é um problema de compaixão, mas de interesse. Não de quem parte, mas de quem fica.

Ciência

A medicina à procura da sua alma

Luis Carvalho Rodrigues

Os doentes estão assustados e frágeis. Vão aos “alternativos” à procura daquilo que não encontram nos médicos: empatia. Não querem um técnico que as examine e conserte como se conserta um automóvel.

Medicina

A tradição médica

Luis Carvalho Rodrigues
548

As medicinas “alternativas” ou não passam de sobrevivências anacrónicas da medicina ocidental pré-científica (a homeopatia) ou vivem do nosso fascínio pelo “exótico” (a medicina tradicional chinesa).

História

In memoriam de Franco Nogueira /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

“Um homem livre, recto e determinado que lutou, com paixão, pelas suas convicções e pelas suas ideias, (…) para recuperar o espírito que fez a grandeza de Portugal”.

Justiça

Extinguir o Tribunal Central de Instrução Criminal

João Miguel Barros

Escrever que a extinção do TCIC dá um sinal errado à opinião pública porque este foi o “tribunal que mandou prender Sócrates” é não compreender a essência do que é um Tribunal de Instrução Criminal.

Lisboa

Portagens e transporte público

Luís Campos e Cunha

Tal como em outras cidades, deveria existir uma portagem a todos os carros que entram em Lisboa. Se vêm de Sintra ou da Amadora, não importa, são viaturas que utilizam os equipamentos da cidade.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)