Legislativas 2019. Informa-te. Eis o novo site construído em tempo recorde por dois jovens estudantes de 22 anos, que deram o melhor de si e do seu tempo nestas férias e início de semestre, para conseguirem ler todos os programas eleitorais de forma a encontrarem uma forma de apelar ao voto e contribuir para minimizar a abstenção das novas gerações.

Pedro de Abreu Leal, finalista de Gestão na Nova SBE, e Francisco Campaniço, a fazer Mestrado em Engenharia Informática e de Computadores no IST – Instituto Superior Técnico –, já eram amigos no liceu, mas a sua amizade ficou ainda mais reforçada no Técnico, onde Pedro também estudou antes de mudar para a Nova SBE. Desta grande amizade nasceu uma iniciativa inédita: ambos conjugaram esforços, talentos e competências para ficarem a saber tudo sobre os programas eleitorais de cada partido e, juntos, construíram um site absolutamente imparcial organizado por temas, onde está disponível toda a informação possível.

Não se ficaram apenas pelos 6 partidos com assento parlamentar. Foram mais longe, para poderem incluir outros 3. Como ainda há mais 12 partidos na corrida, mas uns não têm programa eleitoral e outros não o divulgaram a tempo, estes dois jovens optaram por criar mecanismos que permitem chegar aos sites destes mesmos partidos através de um simples clic.

Sempre tive admiração por quem dá de si e do seu tempo a favor dos outros, de uma comunidade ou de toda a sociedade, e o faz com inteira gratuidade. Nesta semana de vésperas de eleições – e realmente ainda a tempo de evitar muitas abstenções – é impossível não falar de destes jovens estudantes que dedicaram os meses de Agosto e Setembro a ler, linha por linha, proposta por proposta, todos os programas eleitorais de todos os partidos que os revelaram, de forma a decantar essa informação torrencial em vasos comunicantes, com temas e subtemas, para que outros os possam consultar e avaliar, no sentido de exercer o seu dever de cidadania de forma mais esclarecida.

E quem diz ajudar jovens, diz todos os cidadãos de todas as gerações, origens e geografias do continente e ilhas, pois o site é aberto, gratuito e acessível a todos. Mais, permite fazer silêncio e focar nas mensagens principais, num período em que tudo é muito ruidoso nos media, nas ruas e até nos outdoors.

Sublinho a imparcialidade do site por ser a única estratégia possível e determinante para atingir os objetivos a que o Pedro e o Francisco se propõem: apelar ao voto informado e combater a abstenção.

O Pedro de Abreu Leal disse-me que se interessa muito por política e pela atualidade, mas não está nem nunca esteve ligado a nenhum partido. No semestre passado foi de Erasmus para a Tailândia e também naquela latitude teve conversas sobre política e atualidade com amigos e colegas portugueses que também lá estavam. Percebeu que a esmagadora maioria estava a par dos nomes das grandes figuras da política nacional, mas nem todos tinham certezas sobre os partidos a que cada uma destas figuras pertence.

– Muitos jovens da nossa idade vivem completamente alheados da política – reconhece Pedro de Abreu Leal, sem tecer juízos nem comentários, mas dando a entender que tem pena que esta seja a realidade da sua geração.

Voltou da Tailândia no dia 1 de Agosto e quando realizou que tinha algum tempo livre, antes da rentrée, decidiu informar-se mais sobre os programas eleitorais para também ele poder trocar ideias, debater e ajudar mais pessoas a ficarem mais informadas.

– Nunca tinha lido um programa eleitoral da primeira à última linha e, menos ainda, com o propósito de o resumir para divulgar o essencial. Foi difícil.

Admite que a dificuldade e a densidade de alguns programas partidários não o demoveram. Muito pelo contrário! Apostou em ir mantendo o Francisco Campaniço a par de tudo o que lhe pareceu fundamental, para ele ir desenhando o site. Juntos foram encontrando soluções simples e criativas para encaixar toda a informação, resumida e depurada, para também conter alguns excessos narrativos que só servem para confundir os cidadãos eleitores.

– Nas primeiras semanas de Agosto li tudo tratei do conteúdo do site, enquanto o Francisco programava e concebia estratégias de leitura. Foi ele que desenhou a parte funcional e estética do site.

O trabalho de casa era colossal para ambos: um, tinha que ler os programas inteiros de 9 partidos, resumir e sistematizar a informação por temas; outro tinha que encaixar tudo de forma a ser realmente simples e eloquente.

Curiosamente, ambos se inspiraram numa estratégia que este jornal usou há 4 anos, quando analisou as propostas dos principais partidos e as dividiu por temas. Apoiaram-se neste exemplo, mas foram mais longe e construíram um site ainda mais completo.

– Tivemos o cuidado de em cada proposta referir a página do programa de cada partido. Ou seja, se um partido fala de aumentar o salário mínimo, por exemplo, basta clicar para ir parar diretamente à página do programa eleitoral do partido em referência em que fala deste tema.

O site é uma ferramenta muito útil porque dá chaves de leitura sem induzir o voto em nenhum dos partidos.

– Infelizmente e porque éramos só dois a trabalhar, não conseguimos incluir todos os programas de todos os partidos que estão a concorrer às legislativas. Uns porque não o divulgaram em tempo útil e outros porque nem sequer têm programa. Mas é possível clicar em todos os círculos eleitorais e ver todos os candidatos de todos os partidos. E também temos secções explicativas sobre o voto: como votar, onde ir, o que fazer e até os links para o site onde se coloca o número do cidadão e a data de nascimento para poder receber informação útil através dos telemóveis e mails.

Mais: ainda tiveram tempo para uma breve explicação sobre o processo eleitoral e algumas noções básicas sobre os 22 círculos eleitorais. E assim sentem que cumpriram o seu objetivo: fornecer ferramentas para um voto mais informado e combater a abstenção.

Foi uma loucura porque tiveram certamente um ‘trabalho de doidos’, mas graças ao empenho e profissionalismo deste voluntariado cívico do Pedro de Abreu Leal e do Francisco Campaniço todos ganhamos um site incrivelmente útil que ainda vamos a tempo de partilhar com amigos e conhecidos nas redes sociais. Os dois estudantes universitários trabalharam sozinhos e sem patrocínios, mas como o Francisco estava a estagiar no INESC, houve um professor que gostou da ideia e os deixou alojar o novo site num servidor do próprio INESC. Funcionou como mecenas, afinal, porque poupou recursos e, por junto, gastaram apenas 8€ do bolso deles para comprar o domínio.

Apetece-me juntar à ideia que o Pedro e o Francisco tiveram, uma outra que tiveram outros alunos meus, na semana passada, quando decidiram fazer um brainstorming para encontrar soluções criativas para combater a abstenção das novas gerações. Depois de muitas ideias ‘wild’, chegamos à conclusão de que um ‘buddy system’ poderia resultar. Nestas idades a influência dos amigos é decisiva e a pressão dos pares é grande e pode ser bem usada. Talvez a abstenção se combata organizando grupos de amigos que debatem entre si a informação colhida nos meios de comunicação, e também resumida neste site, que depois se comprometem a ir uns com os outros até às urnas. O ‘buddy system’ resulta sempre e até salva vidas. Pode ser que a combinação entre um site que parece a coisa certa, feita no tempo certo, e a aposta de juntar os amigos tenha bons resultados no dia 6!