Rádio Observador

Moscovo

Na Rússia também há uma “geringonça” /premium

Autor

As eleições municipais em Moscovo, que se realizaram no passado Domingo, trouxeram surpresas: não obstante a forte de repressão, a oposição elegeu 20 dos 45 lugares na assembleia municipal.

A experiência da “geringonça” em Portugal parece ser um modelo de governo cada vez mais aconselhável para o Presidente russo, Vladimir Putin, pois a queda da sua popularidade na Rússia obriga-o a tratar com mais cuidado a oposição obediente dos partidos Comunista, Liberal-Democrático e Rússia Justa.

As eleições municipais em Moscovo, que se realizaram no passado Domingo, trouxeram surpresas. A oposição extra-parlamentar, à excepção do Partido “Iabloko”, foi impedida de participar no escrutínio. Não obstante a forte de repressão contra as manifestações da oposição extra-parlamentar (mais de três mil detidos) e a condenação de alguns manifestantes a pesadas penas de prisão, um dos seus líderes, Aleksei Navalny, não apelou ao boicote das eleições, como muitos esperavam, mas ao “voto inteligente” e teve êxito. Segundo o seu apelo, os adversários do sistema político de Putin deveriam votar em candidatos que pudessem vencer os representantes da Rússia Unida, que representa o poder. O resultado foi que a oposição elegeu 20 dos 45 lugares na assembleia municipal (o Partido Comunista conquistou 13 lugares, o Iabloko 4, a Rússia Justa 3 e o Partido Liberal-Democrático outros 3). Isto mostrou que são cada vez mais os moscovitas estão dispostos a votar no diabo para se verem livres do já longo regime de Putin.

É verdade que este resultado não abala o poder do Kremlin, até porque em muitas outras regiões russas onde se realizaram eleições e os resultados foram maioritariamente favoráveis à Rússia Unida e a Vladimir Putin, mas é um antecedente importante. A história do país mostra que os sinais de mudança se revelam, inicialmente, em Moscovo, e depois estendem-se a outras regiões. Este processo poderia ser mais rápido se Putin não contasse com a obediência e a submissão dos dirigentes dos partidos Comunista, Liberal-Democrático e da Rússia Justa, forças políticas que criticam o poder nas palavras, mas que, no Parlamento Russo, votam como é necessário ao Kremlin. Isto é, Putin tem a sua “geringonça”, onde os comunistas desemenham um papel de relevo.

Outro acontecimento importante da última semana foi a troca de prisioneiros entre a Rússia e a Ucrânia (35 de cada lado). A forma como os libertados foram recebidos nos seus países fala por si. Enquanto que o Presidente ucraniano, Vladimir Zelenski, foi ao aeroporto receber os seus concidadãos libertados das prisões russas e publicou o nome deles, o homólogo russo não achou por bem encontrar-se com os homens entregues pelas autoridades ucranianas, nem divulgar os seus nomes. Não convém afixar nomes como o de Vladimir Tzemakh, um dos separatistas pró-russos que alegadamente participou no derrube do avião malaio que provocou a morte de 298 pessoas em Julho de 2014.

Putin não deu luz verde à troca de prisioneiros antes de Zelenski lhe ter garantido que Tzemakh estaria entre eles, o que atrasou o processo. Aliás, foi necessária muita coragem do dirigente ucraniano para ir ao encontro do Kremlin, pois era muita a pressão da Holanda e deputados europeus para que ele não entregasse aquele que poderia ser uma testemunha fulcral no julgamento daquele crime. Mas Zelenski precisava de libertar os marinheiros ucranianos e principalmente Oleg Semtsov, realizador de cinema ucraniano que se encontrava numa prisão russa desde 2014 por se ter manifestado contra a ocupação da Crimeia pelas tropas russas.

Além de cumprir uma das suas promessas eleitorais, Zelenski quis dar um impulso às conversações, no quadro do Quarteto da Normandia (Ucrânia, Rússia, França e Alemanha), sobre a normalização da situação no Leste da Ucrânia. Outro combate importante no plano das relações com a Rússia e bem mais difícil do que a libertação dos prisioneiros. Em relação às regiões separatistas de Donetzk e Lugansk, Putin insiste na política de negar a sua presença militar aí na esperança de continuar a controlar esses territórios, tal como já fez na Transdnístria, Ossétia do Sul e Abkázia.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rússia

A Cortina de Ferro volta a fechar-se? /premium

José Milhazes
249

Os cientistas estrangeiros, quando de visitas a organizações científicas russas, só poderão utilizar gravadores e máquinas copiadoras “nos casos previstos nos acordos internacionais".

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)