Corrupção

O partido dono-disto-tudo

Autor
1.412

O silêncio dos partidos perante a corrupção que ronda o PS é uma vitória de Costa. O seu PS calou o debate e impôs-se através de uma posição de força, visto ser indispensável nas equações de poder.

O PS não queria falar sobre Sócrates – o homem que os socialistas em tempos veneraram, cujos camaradas hoje governam, e que instrumentalizou o poder para criar uma tentacular rede de corrupção. Agora, o PS também não quer falar sobre Manuel Pinho – o ex-ministro de Sócrates que, secretamente e através de offshores, Ricardo Salgado corrompeu com pagamentos fixos (cuja soma ascende a 2 milhões de euros), incluindo no período em que este, no governo, decidiu sobre matérias do interesse do BES. Em suma, o PS nunca quer falar do que não lhe convém: afinal, como explicar ao país que o partido foi instrumento das maiores redes de corrupção da democracia portuguesa? Como tal, a discussão actual na sede socialista limita-se à gestão do “incómodo”que os casos de corrupção estão a provocar. Tradução: o PS acha que pode passar pelos pingos da chuva sem se molhar. E o mais inquietante é que, tudo indica, acha correctamente: o PS não fala e ninguém parece motivado para forçá-lo a falar.

Os indícios de corrupção que recaem sobre Manuel Pinho têm alcance para colocar um regime democrático de luto. O esclarecimento é, portanto, matéria de interesse público e, em especial, dever daqueles que lhe atribuíram protagonismo político num governo, com pasta de ministro. Ora, o silêncio do PS perante o terramoto pode ser eticamente ultrajante, mas tem uma orientação estratégica: na medida do possível, o PS ganha em prevenir que o tema alastre e prejudique a imagem do partido a um ano de eleições. O que gera uma dúvida: então e em relação aos outros, porque ficam calados ou apenas comentam em surdina? Afinal, onde estão as críticas públicas e os pedidos de esclarecimento urgente de Catarina Martins e de Jerónimo de Sousa, habituais intérpretes da indignação popular para com a classe política? E, sobretudo, onde estão os políticos da oposição?

Já vimos este filme a propósito da acusação a José Sócrates, em relação à qual todos os partidos evitam opinar há mais de três anos. A inconsequência de algumas declarações ou mesmo o silêncio de (quase) todos perante os escândalos de corrupção que envolvem o PS, visível novamente no mais recente caso de Manuel Pinho, segue orientações estratégicas. Por um lado, há a que Rui Ramos identificou: os oligarcas recusam-se a olhar de frente para casos em que, fossem tiradas consequências políticas, o actual sistema abalaria – e depois, o que seria deles? Mas, por outro lado, há uma explicação conjuntural: o PS conseguiu colocar-se numa posição de supremacia política à sua esquerda e à sua direita, estabelecendo-se como o partido dos equilíbrios nacionais e que definirá o acesso ao poder em 2019. Ou seja, seja pelo controle da geringonça, seja pela necessidade de sobrevivência de Rui Rio no PSD, o PS é hoje o partido que manda nisto tudo – e, em nome desse acesso ao poder, o partido que demasiados evitam hostilizar.

Ainda muita tinta vai correr sobre o caso de Manuel Pinho. Mas, desde já, o que se sabe serviu para refrescar as lições dos últimos três anos. Sim, o silêncio ou timidez dos partidos políticos perante a corrupção que ronda o PS é uma derrota do parlamento e da democracia portuguesa. Mas é também uma vitória de António Costa. Primeiro, porque comandou internamente um eficaz corte com Sócrates, que permitiu ao PS fugir dos holofotes acusatórios. Segundo, porque o seu PS impôs-se e calou o debate político através de uma posição de força, visto ser indispensável nas equações de poder até 2023 – tirando proveito da geringonça e da fragilidade do PSD. Este é (mais) um dos lados negros desta história: independentemente dos casos de corrupção dos seus governantes, no horizonte da política nacional o PS já é o partido dono-disto-tudo.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Governo

O faz-de-conta /premium

Alexandre Homem Cristo
421

O governo promete, aloca verba mas lança concursos públicos abaixo do preço de mercado, que ficam vazios. Incompetência? É mais provável o contrário: eis uma forma hábil de controlar a despesa pública

Rui Rio

O problema está na mensagem /premium

Alexandre Homem Cristo
269

Rui Rio registou-se nas redes sociais para comunicar sem a intermediação (que considera negativa) dos média. A única coisa que conseguiu foi confirmar que o problema está mesmo na sua mensagem.

PSD

Ao centro, o PSD não ganhará eleições /premium

João Marques de Almeida

Rio, que não perde uma ocasião para evocar Sá Carneiro, não aprendeu a sua principal lição: o PSD só chega ao poder quando lidera uma alternativa aos socialistas. Não basta esperar pelo fracasso do PS

Futebol

Sobre o futuro próximo de José Mourinho

António Bento

No frio e previsivelmente longo Inverno de 2018-2019 a pele de José Mourinho não é boa de se vestir, como se vê por uma parte significativa das suas declarações à imprensa desde que foi despedido.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)