CDS-PP

O peso das escolhas

Autor

O único, exclusivo e fundamental ponto é este sinal imensamente negativo dado à sociedade: é que, afinal, parece que o cargo não executivo na Galp é mais importante do que ser vice-presidente do CDS.

Talvez a chave do imbróglio causado pela nomeação de Adolfo Mesquita Nunes para o cargo de administrador não executivo da Galp e a sua demissão de vice-presidente do CDS/PP não tenha tanto que ver com a circunstância das pessoas poderem (que não podem) intrometer-se no seu projeto de vida.
Muito menos com a sua decisão de não depender profissionalmente da política, uma escolha que além de muito legítima é vitalmente positiva.
O ponto de enfoque tem de ser outro,
Como bem diz pessoa muito amiga, esse ponto tem que ver com a ideia do bem maior, de um bem primeiro, do serviço.
Com o que isso poderá implicar, eventualmente, de maior ou menos sacrifício pessoal.
Nessa medida, e por exemplo, não creio que o Papa Francisco esteja excessivamente preocupado com o seu projecto de felicidade pessoal.
Mas ninguém duvida que o esteja com todos esses projectos pessoais a nível da humanidade.
Daí o seu enorme prestígio, se calhar caso único.
Isto por dizer que vivemos num tempo em que parece, transversalmente, que ninguém se quer sacrificar pelo outro, nem por coisa nenhuma.
Por outro lado, evidentemente, o desapontamento generalizado, público e notório criado por aquela situação pessoal e profissional de Mesquita Nunes tem de ser visto à luz da desmoralização – i.e., da crescente falta de moral e ética – na vida pessoal, política e partidária nacional.
Explico:
As pessoas já passaram do ponto de saturação e estão revoltadas com a indecência de uma injustíssima distribuição de rendimentos em Portugal, que é transversal, de uma permanente e exibida promiscuidade pessoal e familiar existente na vida político-partidária (vd., nesta legislatura, por exemplo, as teias de múltiplas nomeações feitas pelo governo da geringonça), e também, com a transumante e permanente correia de transmissão que funciona imparável entre a política e os altos negócios.
Nessa medida, como é óbvio e natural, as tais pessoas que andam revoltadas sentem-se ainda mais indefesas e alarmadas, porque não percebem porque é que num ano importantíssimo de eleições (que estão todas à porta), em que tinha a coordenação do programa eleitoral a seu cargo e assumia a alta responsabilidade – que é máxima – das funções de vice-presidente do CDS, Mesquita Nunes as trocou por cargo não executivo na Galp.
Como é evidente, o ponto não é haver espaço nos partidos para quem tem vida profissional.
O único, exclusivo e fundamental ponto é este sinal imensamente negativo dado à sociedade: é que, afinal, parece que o cargo não executivo na Galp é mais importante do que ser vice-presidente do CDS.
E definitivamente não é, nunca será, não pode ser.
É esse o ponto.
E a direção do CDS em peso devia ter percebido isso a tempo e a armadilha que lhe foi assim colocada desde o dia em que o convite apareceu.

Miguel Alvim é advogado

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
CDS-PP

O rei vai nu ou tempo para outras escolhas

Miguel Alvim

O bom trabalho de toda uma legislatura do CDS não pode ser confundido com dois falsos temas, a saber, o da reposição do tempo de serviço dos professores e o da malfadada passadeira lgbt de Arroios.  

Eleições Europeias

Notas breves sobre a grafonola

Miguel Alvim

As pessoas acabam por assistir com mais ou menos gozo a esta parada das campanhas, porque é como a Volta a Portugal em bicicleta ao passar na terra. Não se cobra bilhete, há barulho e luzes que bastem

CDS-PP

O partido da liberdade

Miguel Alvim

Falta agora ao CDS apresentar rapidamente o programa eleitoral. Que tem de ser denso, criativo, desassombrado e ao mesmo tempo simples e articulado. Atraente e eficiente.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)