Príncipe William

O príncipe de cócoras e eu

Autor
433

Todos os dias é o mesmo ritual. Quando chego a casa, abro a porta e faço o mesmo que Portugal faz quando chega à Europa: ponho-me de cócoras e sou deitado abaixo por quem manda lá em casa.

Estive uma semana em Cambridge a estudar e descobri logo como sou parecido com um príncipe. Então não é que percebi, pela leitura da literatura especializada, que o príncipe William também se baixa para falar com o “seu mais velho”. Ora, ainda o príncipe William não tinha o “seu mais velho” e já eu me baixava para falar com o meu. É certo que só comecei a fazê-lo depois de ter tentado todas as outras posições, desde deitado até em bicos de pés e, de facto, a posição que funciona melhor é de cócoras. Aliás, depois de se experimentar já não se quer outra coisa, até porque o que custa depois é levantar, com os joelhos todos a estalarem e a lembrarem-nos da ternura dos quarenta.

Todos os dias é o mesmo ritual. Quando chego a casa, abro a porta e faço o mesmo que Portugal faz quando chega à Europa: ponho-me de cócoras e sou deitado abaixo por quem manda lá em casa. O meu filho gosta tanto da sensação de deitar o pai ao chão, que me pede para eu entrar em casa várias vezes, numa espécie de bullying carinhoso, já que o golpe de jiu jitsu vem disfarçado de um abraço encantador. Ainda não pus o pé dentro de casa e já estou de rastos. Literalmente.

Até hoje pensava que esta coisa de me pôr de cócoras, para estar ao mesmo nível que o meu filho e conseguir conversar com ele, era uma coisa minha. Primeiro falava com ele de pé, mas como ele não me ouvia pensei que pudesse ter problemas de audição. Tendo em conta a diferença de alturas, foi então que, para não gritar, que pode traumatizar o menino, passei a falar com ele de cócoras. Eu pensava que era para ele me ouvir melhor, a mim, mas vejo agora, pelo que dizem os especialistas, que esta posição, chamada de “escuta ativa”, é boa é para nós o ouvirmos melhor a ele.

Já estou a imaginar todos os ministros das Finanças do Eurogrupo de cócoras à volta do nosso primeiro-ministro, para ouvirem melhor a fórmula que leva a que, com um aumento de despesas e diminuição de receitas, o défice melhore. E já estou a ver o representante do Eurogrupo a adotar a técnica pedagógica dos livros da especialidade e em vez de dizer “Não podes violar as regras da União Europeia, porque quem manda somos nós”, a dizer antes, com ar doce “Tu gostavas muito de violar as regras, não era? Estás com muita vontade. Olha, então vamos combinar uma coisa. Comes primeiro a sopa e depois já violas as regras, está bem?”.

Cá por casa, a técnica da audição de cócoras está a funcionar lindamente e talvez por isso eu agora saiba perfeitamente o que é que o “meu mais velho” quer, seja não comer o jantar, seja não ir tomar banho, seja não querer dormir. Mas será que ele, estando em pé, me ouve a mim?

Foi por isso mesmo que o príncipe William, que também é adepto de se colocar de cócoras perante o principezinho, levou um ralhete da avó rainha, que ficou com ciúmes por o príncipe estar de cócoras perante o principezinho e não perante ela, numa cerimónia oficial. Claro que o príncipe lá tentou explicar à avó rainha o que estava a fazer, mas como não lhe pediu para ela se pôr de cócoras – com medo que houvesse um brexit do colo do fémur, ali à frente de toda a gente – ela não percebeu por que diabo estava o príncipe de cócoras.

Esta semana vou iniciar uma nova técnica e vou pedir ao meu filho que se ponha ele de cócoras, em posição de escuta ativa, para me ouvir a mim. E tenho tanto para lhe dizer, meu Deus. A primeira coisa vai ser que, agora que usamos a mesma técnica pedagógica que o príncipe William usa em relação aos filhos dele, também quero um Range Rover igual ao dele, para os transportar. E ele que não me venha com a conversa do “Tu querias muito um Range Rover, não era? Gostas muito de jipes verdes com estofos beges, apesar de não viveres em Windsor, mas em Arroios, não é? Olha, então vamos combinar uma coisa…”

Tiago Duarte é advogado da PLMJ

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Juízes

A história do revolucionário tímido

Tiago Duarte

O legislador tem sido brando com esta funcionalização dos juízes, tal como tem permitido a existência de uma associação sindical e o exercício do seu alegado direito de greve.

Pais e Filhos

Isto é como andar de bicicleta

Tiago Duarte

Acho mesmo que uma das razões pelas quais os homens têm mais de um filho é porque, com o tempo, se esquecem do que custa ensinar uma criança a andar de bicicleta. 

Férias

O Sport-Billy não tinha filhos

Tiago Duarte
1.373

Há um dia em que um filho se transforma em pai e verifica que está sozinho. Só ele, a mala do carro e uma montanha de sacos e saquinhos que a sua mulher vai depositando na entrada da casa.

Relações

Pessoas ON e OFF

Marta L. Almeida

A vida real pulsa fora das telas. Seria tão mais simplório se hoje, por não querer gostar mais de ti, pressionasse o botão, e tu desaparecias, que isso determinasse o que eu sinto ou deixo de sentir.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)