Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Foi para aí há 15 anos que comecei a escrever regularmente nos blogues. Por essa altura, de forma surpreendente, surgiu na blogosfera portuguesa uma nova direita. Fresca, moderna e liberal. Parecia culta, escrevia bem, tinha a cabeça arejada e usava argumentos lógicos. Sendo Portugal um país tão estatizado, era difícil alguém liberal, mesmo que de esquerda, como eu, não se identificar com muitos dos argumentos e propostas que eram feitas.

Por um lado, o argumento de base do liberalismo, o de respeitar a liberdade individual, é bastante difícil de rebater. Por outro lado, as políticas económicas de esquerda que existem em Portugal são tão ineficientes e dependentes do Estado que é relativamente fácil pensar em alternativas mais liberais que atinjam os mesmos fins com menos custos.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.