PSD/CDS

Os meus dois centavos sobre a direita /premium

Autor
479

Muito mais importante do que ter um CDS que põe a bolinha ao centro ou um PSD que se diz de centro esquerda, o essencial era haver dois partidos: um partido conservador e um partido aberto e liberal.

Foi para aí há 15 anos que comecei a escrever regularmente nos blogues. Por essa altura, de forma surpreendente, surgiu na blogosfera portuguesa uma nova direita. Fresca, moderna e liberal. Parecia culta, escrevia bem, tinha a cabeça arejada e usava argumentos lógicos. Sendo Portugal um país tão estatizado, era difícil alguém liberal, mesmo que de esquerda, como eu, não se identificar com muitos dos argumentos e propostas que eram feitas.

Por um lado, o argumento de base do liberalismo, o de respeitar a liberdade individual, é bastante difícil de rebater. Por outro lado, as políticas económicas de esquerda que existem em Portugal são tão ineficientes e dependentes do Estado que é relativamente fácil pensar em alternativas mais liberais que atinjam os mesmos fins com menos custos.

Com o passar do tempo, fui-me apercebendo que o liberalismo muitas vezes mais não era do que uma fachada para dar um toque de modernidade ao que não passava de conservadorismo, quando não reaccionarismo. Terá sido com o referendo sobre o aborto que isso se começou a tornar óbvio. A forma como bloggers da nossa praça blogosférica liberal se opuseram à sua liberalização surpreendeu-me. Apesar de tudo, considerei compreensível. Neste assunto, é muito difícil definir o que é uma posição liberal, dado que há um conflito de direitos entre a mãe e o feto. O estatuto que atribuamos a este último poderá fazer pender a balança para um lado ou para o outro.

Já quando se começou a discutir outro dos chamados temas fracturantes, o casamento de pessoas do mesmo sexo (e, mais tarde a possibilidade de adopção por parte destes casais), ficou claro que os argumentos da liberdade individual eram, para grande parte da direita liberal portuguesa, puramente instrumentais. Muitos dos direitolas liberais portugueses estavam dispostos a sacrificar as liberdades individuais (como o direito de cada um casar com quem quer), usando golpes de rins argumentativos capazes de fazer inveja ao melhor dos guarda-redes, em nome de um conservadorismo que só a Igreja Católica defendia.

Rapidamente, percebi também que o objectivo de parte da direita portuguesa não era, na verdade, o de desestatizar Portugal, mas sim o de substituir o Estado pela Igreja. Por exemplo, mais depressa defendiam que o Estado deixasse de reconhecer casamentos (de forma a que, na prática, as Igrejas ficassem com o monopólio dos mesmos) do que aceitavam que um homem casasse com outro homem ou uma mulher com outra mulher. Ou, num registo mais prático, no último governo de direita, ao mesmo tempo que cortavam nos apoios aos mais pobres, aumentavam o financiamento às IPSS e misericórdias.

Houve muita gente que se surpreendeu com o apoio que tantas pessoas de direita liberal portuguesa deram a políticos como Trump (de forma velada e relativamente envergonhada) ou a Bolsonaro (neste caso, de forma menos envergonhada). Mas, na verdade, nada disto é novo. Basta lembrar que, em 2007, na eleição do melhor português de sempre, não faltaram membros do Insurgente e do Blasfémias (os dois ex-libris da blogosfera de direita liberal portuguesa) a fazer de forma mais ou menos velada campanha por Salazar. Aliás, vale a pena lembrar que uma das personalidades da direita portuguesa que assumiu sem rodeios que votaria em Jair Bolsonaro foi Jaime Nogueira Pinto, que foi a pessoa encarregada de fazer o elogio a Salazar por ocasião da eleição do melhor português — diga-se, em abono da verdade, que nunca Jaime Nogueira Pinto se declarou liberal (pelo menos que eu tenha conhecimento).

Penso que todas estas eleições, desde Salazar a Bolsonaro, mostram que há uma direita portuguesa que gostaria de sair do armário e assumir aquilo que verdadeiramente é: uma direita iliberal e reacionária. E, para bem da clarificação da direita portuguesa, era importante que encontrasse o seu espaço eleitoral. Que sentido faz ter no mesmo partido gente como Adolfo Mesquita Nunes e como Francisco Rodrigues dos Santos? Um defende a liberdade do casamento, a livre adopção por casais homossexuais e o aborto despenalizado. O outro é contra o aborto, contra o casamento livre contra a adopção por casais do mesmo sexo. Podem fazer-se muito amiguinhos no congresso, claro, mas para quem vota é uma grande confusão. Com grande facilidade eu votaria em Adolfo Mesquita Nunes para me representar na Assembleia da República, mas, por exemplo, nunca na vida votaria num Abel Matos Santos, do mesmo partido, que acredita que os homossexuais devem ser tratados.

E esta mistura de liberais com reaccionários que há no CDS volta a repetir-se no PSD. Basta lembrar que Passos Coelho era candidato a líder do PSD em 2010, quando explicou que a homossexualidade não devia ser impedimento à adopção. Aliás, até considerava que tal proibição seria inconstitucional. Mas depois teve uma bancada parlamentar, pela mão do deputado bracarense Hugo Soares, a boicotar uma votação que permitia a co-adopção por casais do mesmo sexo — na altura, inventando um referendo sobre o assunto. Tendo eu votado no Passos Coelho moderno e liberal de 2011, não há forma de não me sentir traído pelo comportamento da sua bancada uns anos depois.

Em jeito de conclusão. A direita portuguesa está em crise e enquanto não clarificarem as suas posições não deixarão de estar em crise. Muito mais importante do que ter um CDS que põe a bolinha ao centro ou um PSD que se diz de centro esquerda, o essencial era haver dois partidos: um partido conservador e salazarento e um partido aberto e liberal. Depois, os eleitores que escolham.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Igualdade de Género

O sexo e a concorrência /premium

Luís Aguiar-Conraria
141

Se até algo como a simplificação burocrática na criação de empresas teve efeitos na redução da desigualdade de género dos salários, percebe-se o absurdo da ideia de que não há discriminação salarial.

António Costa

Três perguntas, três não-respostas /premium

Luís Aguiar-Conraria
307

Os desafios da nossa evolução demográfica não são compatíveis com um discurso puramente conjuntural de “vamos lá fazer com que alguns jovens regressem ao país e diversificar algumas fontes de receita"

Orçamento do Estado

Por um IVA civilizado /premium

Luís Aguiar-Conraria
2.744

Se for a um restaurante de luxo, o IVA que é pago é de 13%. Se beber uma cerveja, paga 23% de IVA, já se beber um vinho de 150€ paga apenas 13%. Ou seja, andamos a subsidiar gastos de gente rica.

Política

A direita deve unir-se num só partido /premium

André Abrantes Amaral
197

Perante a bipolarização escamoteada da política portuguesa uma coligação pré-eleitoral, de preferência uma fusão do PSD, CDS e Aliança num só partido de direita não só se torna necessária como natural

PSD/CDS

Os problemas da direita: o Presidente /premium

Fernando Leal da Costa

Marcelo fará o que bem entender na sua lógica da política, a dos tempos que vivemos, em que ter popularidade é a chave do sucesso. Não é por causa do PR que a oposição irá ganhar ou perder as eleições

PSD/CDS

Os problemas da Direita: a liderança

Fernando Leal da Costa

O PSD precisa de um líder e não de um patrão. Até pode ser Rui Rio, não digo que não, mas isso obrigava-o a transmitir a ideia de que está confortável e seguro no cargo. Não parece ser o caso.

PSD

A direita poderia ganhar em 2019 /premium

Sebastião Bugalho
616

Rui Rio homenageia Sá Carneiro falando de piscinas municipais e dos seus processos como arguido na Câmara do Porto e ninguém se levanta para sair da sala. Foi uma vergonha. Repito: foi uma ver-go-nha.

Governo

Revolução Francesa

Diogo Prates
196

Os “coletes amarelos” franceses são o pior inimigo de Costa neste momento. Os portugueses perceberam-no ao compararem o que pagam os franceses pelos combustíveis com o tamanho da nossa carga fiscal.

PSD/CDS

A Direita não é o bem o que se lhe chama

Fernando Leal da Costa

A direita nacional tem falta da extrema-direita, pois assim não tem um comparador extremo, à sua direita, que lhe permita conquistar o centro. A extrema-direita, se existisse, recentraria a direita.

Política

Salazar /premium

Helena Matos

Os actuais líderes não têm discurso, têm sim objectivos: manter-se ou chegar ao poder, através da popularidade e não da política. Logo precisam do passado e de Salazar para falarem de política.

PSD

Ao centro, o PSD não ganhará eleições /premium

João Marques de Almeida

Rio, que não perde uma ocasião para evocar Sá Carneiro, não aprendeu a sua principal lição: o PSD só chega ao poder quando lidera uma alternativa aos socialistas. Não basta esperar pelo fracasso do PS

PSD

Ao centro, o PSD não ganhará eleições /premium

João Marques de Almeida

Rio, que não perde uma ocasião para evocar Sá Carneiro, não aprendeu a sua principal lição: o PSD só chega ao poder quando lidera uma alternativa aos socialistas. Não basta esperar pelo fracasso do PS

Futebol

Sobre o futuro próximo de José Mourinho

António Bento

No frio e previsivelmente longo Inverno de 2018-2019 a pele de José Mourinho não é boa de se vestir, como se vê por uma parte significativa das suas declarações à imprensa desde que foi despedido.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)