Rádio Observador

Rui Rio

Por este Rio abaixo! /premium

Autor
303

Rio autopromoveu-se para além do limiar da sua incompetência, mas não para além do seu ego. O Princípio de Peter pode ser agora rebaptizado: o Princípio de Rio. Esse Princípio será também o seu fim.

No rescaldo das eleições, emergiu e revelou-se, agora no seu esplendor total, um “novo” partido.

Um partido sem estratégia.
Um partido sem agenda.
Um partido sem ideias.
Um partido sem propostas.
Um partido sem projecto.
Um partido sem pessoas novas.
Um partido sem discurso.
Um partido sem rasgo.
Um partido sem credibilidade.
Um partido até sem cães e gatos.
E por tudo isto um partido sem votos.

Exibiu-se, na verdade, simultaneamente como causa e como consequência dos resultados eleitorais, um partido perdido, anestesiado, adormecido, apático, combalido, sozinho, cabisbaixo, conformado, deprimido, resignado, desnorteado, acomodado, desagregado, pequenino, poucochinho. Um partido ressabiado e apenas preocupado em acabar com os desleais!

E agora? E agora, militantes? E agora, social-democratas? E agora, JSD? E agora, TSD? E agora, Carlos Moedas? E agora, Pedro Duarte? E agora, Paulo Rangel?

Para quando um PSD renovado e renovador?
Para quando um PSD agregado e agregador?
Para quando um PSD motivado e motivador?
Para quando um PSD reformado e reformador?
Para quando um PSD com programa e programador?
Para quando um PSD com propostas para a Economia?
E agora? Para quando um PSD com temas novos, caras novas, ideias novas, sangue novo?

Para quando um PSD que abrace a democracia, que defenda a sustentabilidade, que saiba como abrigar o crescimento económico dos ventos da conjuntura, que construa um equilíbrio entre um Estado regulador e uma Economia possante, que não se perca nem se afunde nas tácticas diárias das alianças milimétricas e cínicas?

Para quando um PSD dedicado à “promoção e defesa, de acordo com o Programa do Partido, da democracia política, social, económica e cultural, inspirada nos valores do Estado de Direito e nos princípios e na experiência da Social-Democracia”?

Para quando um PSD inconformado com o pensamento único e com a doutrina “There Is No Alternative” socialista?

Para quando um PSD que fale olhos nos olhos com os Portugueses e lhes dê uma nova alma, uma nova esperança, um novo desenvolvimento e uma confiança de que poderemos ter um futuro colectivo que não nos conduza ao gueto resignado dos “pagadores de impostos” para onde estamos remetidos.

O Presidente da República já veio explicar tudo, como é habitual. Veio explicar que uma democracia forte precisa de um Governo forte, de uma oposição forte, de instituições fortes, de partidos fortes. Ora, a força do Governo está vista, demonstrada e destrunfada; a força das instituições (apesar de alguns sintomas preocupantes) não parece, felizmente, estar ainda em questão. A quem se referiria então o Presidente?

Parece-me que, brevemente, Rio irá ter que dar explicações aos militantes e aos eleitores, que foram avisados sobre o caminho que está a ser trilhado pelas profecias de Montenegro. Vai ter que explicar a inabilidade, a incapacidade, o imobilismo, o provincianismo, a falta de visão, a falta de empatia, a falta de comunicação, a ausência de iniciativas e – pecado capital em qualquer pessoa honesta que se candidate ao cargo a que Rio se candidatou – a carência total, absoluta, confrangedora e embaraçosa de ideias.

Para muitos, Rio autopromoveu-se para além do limiar da sua incompetência, mas não para além do seu ego.

O Princípio de Peter pode assim ser agora rebaptizado — o Princípio de Rio. Ironicamente, esse Princípio será também o seu fim.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PS

A culpa é do mexilhão! /premium

Luís Reis
316

Sempre que formos bombardeados por uma qualquer intervenção do PS com a a cartilha de Costa, só temos de repetir, contritos, conformados e de cabeça baixa: Por minha culpa. Por minha tão grande culpa!

Rui Rio

Portugal continua a não ser a Grécia /premium

Rui Ramos
396

Quando a Grécia se afundava em resgates, Passos impediu que Portugal fosse a Grécia. Agora, quando a Grécia se liberta da demagogia, é Rui Rio quem impede que Portugal seja a Grécia. 

PSD

A credibilidade do choque fiscal de Rui Rio /premium

Luís Rosa
122

É difícil acreditar num corte fiscal generoso no IRS, IRC, IVA e IMI em vésperas de eleições e com projeções que indicam o arrefecimento da economia. Soa a desespero de um líder em apuros.

Serviços públicos

O melhor dislate do ano

Fernando Leal da Costa

Que mania, a dos nossos concidadãos, que insistem em usar os serviços que lhes disseram ser públicos. E, logo que precisam, vão todos ao mesmo tempo. É muito irritante.

PSD/CDS

35 horas: outro vazio de representação /premium

Alexandre Homem Cristo

PSD e CDS já não defendem a convergência dos sectores público e privado (40 horas de trabalho semanais). Quem representa, então, os eleitores que compreenderam a sua medida em 2013? Ninguém.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)