Política

Portugal é diferente… e não é para melhor /premium

Autor

Onde Portugal é diferente para pior é que a vida política está monopolizada pelo governo, ou por quem ocupa o Estado e pelas corporações que querem fazer parte deste, nomeadamente os sindicatos.

A desordem mundial impera há já algum tempo e vai crescer nos próximos anos. Em Portugal, porém, a pouco mais de quatro meses das eleições europeias e outro tanto até às legislativas, não se esperam grandes mudanças e, se as houver, não será para melhor, como já se pode entrever. A menos de uma imprevisível edição local dos «coletes amarelos», que de repente se pusessem a reivindicar a «demissão do governo», ou de um surto patriótico contra os turistas e os imigrantes que tanta falta fazem cá, a única coisa que se pode prever para as próximas eleições de Junho e de Setembro é que a abstenção se arrisque a ultrapassar os recordes das anteriores europeias e nacionais (nestas últimas, foram 50% de abstencionistas incluindo os «brancos e nulos»). Até o Presidente da República teve mais 50% de abstencionistas e está a perder admiradores!

Como noutros países, o congelamento do sistema partidário português parece, contudo, estar a sofrer de há pouco para cá uma fragmentação crescente. Na hipótese mais provável, isso fará com que o partido actualmente dominante continue a não ter maioria absoluta no parlamento, pois mesmo que o PS aumente a sua votação relativa (não necessariamente em votos) será graças aos parceiros da «geringonça», seguramente o PCP mas talvez também o BE.

Entretanto, a fragmentação partidária acabou por afectar irremediavelmente o PSD com o abandono de Passos Coelho, dividindo-se as actuais lideranças em três e meia: um Rui Rio em queda mas sempre favorável à união com um PS que não quer ouvir falar de «bloco central»… Depois, a enésima reincarnação de Santana Lopes prestes a aliar-se com quem precisar dos votos que a Aliança conseguir; a seguir, o futuro leader do PSD que vier a sair dos derrotados da mais recente cisão do partido e que cujos adeptos, no intervalo, se absterão… E por último mais algum protestatário do género André Ventura!

Onde Portugal é diferente para pior é que a vida política está monopolizada pelo governo, melhor dizendo, por quem ocupa o Estado e pelas corporações que querem fazer parte deste, das quais os sindicatos são a face mais visível. O caso dos professores, com um despudor que ultrapassa todos os outros funcionários públicos e os assalariados das empresas estatais, está longe de ser o único e, se o ministro das Finanças arranjasse maneira de lhes ceder aquilo que não foi prometido a mais ninguém, o resto da função pública não pararia até recuperar o mesmo…

Nos inquéritos de opinião, a esmagadora maioria dos portugueses revolta-se contra as greves despropositadas dos funcionários e isso não deixará de ter influência nas eleições. Um exemplo, porém, de que Portugal só é diferente para pior é o caso do Sistema Nacional de Saúde. Também em Espanha, como na Grécia, o sistema público de saúde está em plena crise financeira e organizativa sob a pressão da sua gradual privatização, tal como cá. Algo que se passa já também com a Grã-Bretanha e só poderá agravar-se, para todos, com a desunião europeia…

A diferença é que em Espanha há já importantes manifestações de rua em genuína defesa do SNS. Em contrapartida, se alguém cá se manifesta são os enfermeiros com a sua pressão sobre o sistema enquanto os doentes sofrem as consequências e as seguradoras reencaminham quem pode pagar para o crescente sector privado. A ADSE, uma espécie de seguro de saúde criado por Salazar a fim de evitar que os funcionários do Estado tivessem de recorrer aos hospitais públicos da época, continua às ordens do governo e tem hoje por principal função transferir 3,5% do rendimento bruto dos antigos e actuais 1.200.000 funcionários públicos para o sector privado, ou seja, mais de 600 milhões de euros em 2018, valor este que os associados têm a maior dificuldade em conhecer mas que representa, em média, um seguro de 500€ por ano a adicionar à parte que todos pagam dos impostos afectados pelo Estado à saúde.

O gasto directo em saúde de uma população em vias de envelhecimento como a nossa foi sempre bastante mais alto em Portugal do que na UE e é hoje, no mínimo, 2 mil milhões de euros do nosso bolso, além dos 8,5 mil milhões em impostos. O gasto estatal em Espanha é mais de 73 mil milhões de euros para 45 milhões de habitantes, ou seja, o dobro por habitante que em Portugal…

Paradoxalmente ou talvez não, é quem está menos mal que afinal mais se mexe. Com efeito, o problema mais intratável da nossa vida social – portanto, também da política – é a falta de mobilização dos eleitores perante os seus alegados representantes, se necessário promovendo a sua remoção por quem de direito. Não nos esqueçamos que Portugal deve ser um dos pouquíssimos países europeus cuja Constituição nunca foi submetida a referendo popular e que cujos governos se recusam a referendar questões graves como, por exemplo, a liberalização da eutanásia. As perspectivas não são brilhantes.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Saúde

Brincar com a saúde! /premium

Manuel Villaverde Cabral
155

A gerigonça tem muitas batatas quentes nas mãos mas estas duas (saúde e envelhecimento) talvez possam ser politicamente iludidas nas próximas eleições mas não no futuro financeiro e económico do país.

Reino Unido

To Brexit Or Not To Brexit? /premium

Manuel Villaverde Cabral

Se a Inglaterra soberana e conservadora, «trabalhistas» incluídos, não consegue sair da UE é porque a União não foi feita para isso. Só foi feita para entrar.

Política

Populismo, Portugal e o Mar

Gonçalo Magalhães Collaço

A capacidade que a Esquerda tem, e sempre teve, para se impor, dominar e exercer o condicionamento mental que exerce, é admirável.

Saúde

ADSE ou Ai do Zé?

Fernando Leal da Costa

Sejamos claros. O fim da ADSE, um dos seguros mais importantes na saúde dos Portugueses, determinará um acelerar vertiginoso do colapso assistencial do SNS, com tempos de espera infindáveis.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)