Rádio Observador

Eleições Espanha 2015

Sombras da guerra civil /premium

Autor

Não se espera uma nova guerra civil mas não são de afastar enfrentamentos de vários géneros, incluindo físicos, apesar da pertença comum à União Europeia, cujos inimigos em contrapartida rejubilarão!

As forças políticas espanholas parecem estar de novo divididas segundo as convicções ideológicas de há mais de 80 anos, quando eclodiu a Guerra Civil que duraria de 1936 a 1939 e serviu de preâmbulo à 2.ª Guerra Mundial. A ditadura então imposta em Espanha só terminou em meados dos anos ’70 do século passado, restaurando o anterior regime demo-liberal e garantindo, até aqui, as regras básicas do sistema representativo. Portugal é diferente mas não tanto e convém não perder de vista o passado autoritário ibérico…

Com as «nuances» que o tempo entretanto acrescentou, mais do que os partidos políticos são os eleitores que se enfrentam de um e do outro lado de uma linha imaginária mas profunda entre Esquerda/Direita, assim designadas em honra de ideologias vetustas, e sobretudo divididos entre Nós e Eles, Bons e Maus, Pobres e Ricos, alimentando ódios antigos e acrescentando novas clivagens instrumentais entre Jovens e Velhos, Mulheres e Homens, e mais o que vier ao caso…

Entre as Esquerdas e as Direitas, cujos partidos somados do centro para o extremo continuam a não ter maioria (PSOE+Podemos=43,6%; Ciudadanos+PP+Vox=45,7%), interpõem-se nacionalistas e autonomistas, os quais darão imediatamente o poder à dita Esquerda, através dos partidos moderados e radicais da Catalunha e do País Basco, onde se concentram mais de 20% do eleitorado nacional, tal e qual como em 1936. Não se espera uma nova guerra civil mas não são de afastar enfrentamentos de vários géneros, incluindo físicos, apesar da pertença comum à União Europeia, cujos inimigos em contrapartida rejubilarão!

Como se chegou aqui? Não é certo que esta fragmentação crescente do eleitorado espanhol seja sobretudo o resultado dos diversos tipos de descontentamento provocados pela grande recessão de 2008 e pelas suas sequelas sociais, desde o rebentar da bolha imobiliária até ao aumento do desemprego, mas em boa medida já recuperados. Dito isto, o lamentável fracasso do PSOE em gerir então a crise, tal como sucedeu em Portugal, contribuiu para afastar grande parte do seu eleitorado e remetê-lo, sobretudo entre os jovens, para um populismo esquerdista e agressivo de manifesta influência latino-americana, o chamado «Podemos», cuja acção provocadora só agora começou a fraquejar nas urnas.

O enfraquecimento do PSOE facilitou então, à sua direita, a entrada do Partido Popular – o conservador PP então presidido por Mariano Rajoy – na roda livre de um poder quase absoluto, encostado à UE em nome da salvação da banca e cada vez mais notoriamente corrupto num país onde a justiça não é como cá. A prazo, a rede de corrupção fez cair o PP e o próprio Rajoy, entretanto enfraquecidos pelo fenómeno político mais importante dos últimos anos, que foi e continua a ser, independentemente dos seus melhores e piores argumentos, o independentismo catalão. Foi a irrupção do movimento catalanista que voltou a abrir espaço não só ao PSOE como sobretudo ao surgimento desses «activismos» desapercebidos fora de Espanha que são os populismos urbanos, desde logo em Madrid, Barcelona e Valência.

É esta conjuntura de radicalização da rua e dos sentimentos recalcados desde o franquismo ou deliberadamente repescados para fazer vibrar a corda anti-fascista que acaba por explicar o derrube de Rajoy e do PP pela mesma coligação que irá, provavelmente, consolidar a aliança do PSOE com Podemos e levá-los ao poder depois da curta experiência do 1.º ministro Pedro Sánchez.

Tanto mais que o PP, depois de ultrapassar o primeiro ensaio de «referendo» catalanista promovido sem êxito por Artur Más há perto de 10 anos, já não soube lidar, em 2017, com o oportunismo do novo Govern catalão e com as provocações de rua de grupos como a CUT. Assim se abriu o espaço à implantação nacional de «Ciutadans», os quais assumiram a defesa da integridade de Espanha contra o independentismo catalão e contra a vaga de «fake news» provenientes da Rússia e de Assange… Embora nem uma pessoa tenha morrido ou sofrido ferimento de maior, o espalhafato foi imenso e a rigidez de Rajoy acabaram por abater o PP e influenciar toda a conjuntura político-partidária espanhola desde então.

Entalado entre o modelo federalista e o nacionalismo espanhol, o PP deixou-se desbordar à direita pelos recuperadores da memória franquista, atiçada pelo PSOE com o anúncio da remoção dos restos fúnebres do ditador Franco, como se fosse este o problema de Espanha. A ala radical da Direita soltou-se assim do PP para fundar um «Vox» que não pára de acumular êxitos. Impera pois a fragmentação dos interesses e ideologias: entre o futuro governo e a futura oposição, haverá depois das eleições do próximo domingo nove ou dez partidos envolvidos sem verdadeira solução à vista.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições

O fórum e o mercado /premium

Manuel Villaverde Cabral

As eleições serão marcadas pela crise da representação materializada pela abstenção maciça, enquanto os votantes efectivos se pautarão pelos benefícios que terão ou não recebido da "geringonça".

PS

"Vogliamo Tutto" ou… a campanha em marcha /premium

Manuel Villaverde Cabral

É falso que o esquelético crescimento económico actual esteja a "evoluir em contraciclo com a economia mundial", como se a nossa economia não dependesse da europeia desde a criação do Euro.

Combustível

Teorias da conspiração /premium

Manuel Villaverde Cabral

A única coisa que não sabemos ao certo acerca da greve dos camionistas é se o governo a combate a sério, servindo-se para isso da implantação do PS na organização do patronato, ou se finge combatê-la.

Eleições Espanha 2015

Nem tudo vale na política

Dantas Rodrigues

Oportunismos como o da candidatura de Manuel Valls em Barcelona é que degradam a imagem da política e alimentam a propagação de partidos populistas sejam eles de extrema-direita ou de extrema-esquerda

Espanha

As duas Espanhas vão a eleições

Diogo Noivo

A estratégia eleitoral de todos os partidos espanhóis consiste em enfatizar o radicalismo do adversário, circunscrevê-lo a esse espaço e assinalar os riscos de traição no caso de vitória do oponente.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)