Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Os projectos de construção de gasodutos anunciados pela Rússia não são para serem construídos na totalidade, pois não há meios financeiros, mas apenas para a ameaçar a Ucrânia com o fim do trânsito desse combustível através desse país para a Europa.

Alexei Miller anunciou, no Fórum Económico Internacional de São Petersburgo, o projecto de construção de mais um gasoduto que vai ligar a Rússia à União Europeia através do Mar Báltico. A capacidade dos dois tubos, que serão construídos paralelamente à “Corrente do Norte” (North Stream), será de 55 mil milhões de metros cúbicos de gás por ano.

Segundo Miller, “isso mostra que a procura de gás russo aumenta e sem dúvida que a questão de novos contratos de fornecimento de gás russo a longo prazo é uma questão actual nas conversações com os nossos parceiros europeus”.

Uma das principais razões deste anúncio foi prevenir a Turquia que não pode perder muito tempo a tomar a decisão de autorizar a construção da “Corrente Turca”, gasoduto que deverá transportar gás russo do Mar Cáspio até à Grécia e, daí, até à Europa Central.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

É de recordar que a Rússia e a Turquia decidiram montar este novo gasoduto em alternativa à “Corrente Sul” (South Stream), projecto que não saiu do papel devido a Moscovo não ter chegado a acordo com Bruxelas.

Por isso, segundo alguns especialistas, o Kremlin não irá realizar a construção dos dois gasodutos, mas de um, dependendo a decisão final do desenvolvimento das conversações com a Turquia e a União Europeia.

O anúncio da construção do novo gasoduto é tanto mais estranho quando se sabe que as capacidades de transporte da “Corrente do Norte” não estão a ser totalmente aproveitadas. Esse gasoduto tem capacidade para transportar 55 mil milhões de metros cúbicos, mas, presentemente, fornece apenas 36,5 mil milhões de metros cúbicos.

Segundo o Terceiro Pacote Energético da UE, a Gazprom não pode utilizar 100% da capacidade dos tubos OPAL e NEL (a parte terrestre da “Corrente do Norte” no território da Alemanha), pois transforma-se em monopolista. Mas não apareceram outros exportadores para encher o gasoduto.

A rentabilização desses gasodutos só será possível com a normalização das relações entre Moscovo e Bruxelas, processo que parece não estar para breve. Além de mais, é difícil ver onde a empresa de gás russa irá buscar dinheiro para concretizar esses e outros projectos gigantescos num momento em que a Gazprom não tem os cofres cheios. É de recordar que esta empresa pública russa tenciona também construir um gigante gasoduto que irá ligar a Sibéria à China e que Pequim só tenciona pagar quando começar a receber gás, o que deverá ocorrer em 2019.

Por isso, toda esta actividade mais não visa do que tentar recuperar a Ucrânia para a zona de influência russa. Se o Kremlin conseguir construir pelo menos a “Corrente Turca”, o sistema ucraniano de transporte de gás deixará de ser estratégico e Vladimir Putin vê nisso mais uma forma de chantagem económica sobre o país vizinho, de o obrigar a renunciar à opção europeia.

P.S. Torna-se cada vez mais preocupante a luta política no interior dos centros de decisão da Ucrânia. A decisão do Presidente ucraniano, Petro Porochenko, de demitir Valentin Nalivaytshenko, director dos Serviços de Segurança da Ucrânia, está a ser contestada por alguns dos seus apoiantes, que atribuem essa decisão ao facto de Nalivaytshenko ter começado a luta contra a corrupção na Procuradoria-Geral da Ucrânia. Estes duelos não ajudam nem a luta contra corrupção, nem o combate à crise económica no país.