Logo Observador
Serviço Nacional de Saúde

ADSE para todos

Autor
2.512

Seria bom que os mesmos governantes e políticos que tanto gostam de invocar a igualdade fossem - por uma vez - consistentes na sua aplicação, até porque o que está em causa é a saúde dos portugueses.

O governo liderado por António Costa achou por bem alargar a possibilidade de acesso à ADSE aos filhos com menos de 30 anos de actuais beneficiários do sistema assim como – mediante o pagamento da mesma taxa de 3,5% aplicada aos actuais beneficiários – a cônjuges de funcionários públicos e a trabalhadores em entidades públicas empresariais. São medidas – pelo menos as duas últimas – que podem ser louvadas por alargarem o leque de cidadãos com acesso a maior liberdade de escolha nos cuidados de saúde num quadro de sustentabilidade financeira, mas simultaneamente agravam os problemas de equidade associados à ADSE enquanto sistema exclusivo dos trabalhadores do Estado e vedado aos restantes cidadãos.

Conforme notei em artigo anterior sobre a ADSE, é bizarro que num país em que existe um SNS estatal e universal, seja o próprio Estado a oferecer paralelamente aos seus funcionários e pensionistas um subsistema de saúde exclusivo que se traduz na garantia de uma considerável liberdade de escolha que continua a ser negada ao resto da população.

Mais bizarra ainda foi a argumentação da deputada bloquista Joana Mortágua para defender a manutenção do estado de privilégio dos funcionários públicos, o alargamento da cobertura aos cônjuges sem necessidade de descontar 3,5% e a exclusão e discriminação agravada do resto dos cidadãos portugueses. Conforme deu conta o Jornal de Negócios, a extraordinária linha argumentativa da bloquista assumiu a seguinte forma:

A abertura da ADSE a outras pessoas que não funcionários públicos (e respectivos familiares) “não faz sentido”, porque “estaria a alargar o acesso de utentes aos hospitais privados com prejuízo claro para o SNS”. Por isso, “a ADSE deve manter-se como um sistema fechado aos funcionários públicos e às suas famílias”.”

Ou seja, para o Bloco de Esquerda a ADSE é um benefício para os funcionários públicos que deve ser alargado e reforçado mas que deve simultaneamente continuar vedado aos restantes cidadãos portugueses, presumivelmente pertencentes a uma casta inferior que não merece a liberdade de escolha e pode ser sacrificada no altar ideológico do SNS.

Curiosamente – ou talvez não – esta gritante situação discriminatória não parece também levantar quaisquer problemas no âmbito do enquadramento constitucional português, não tendo até ao momento sido vislumbrado pelas instâncias competentes qualquer conflito com o amplamente celebrado princípio da igualdade.

Desde que a ADSE seja auto-financiada e sustentável – uma mudança estrutural que Portugal deve ao governo liderado por Pedro Passos Coelho – não há razões para abolir o sistema. E a partir do momento em que o sistema pode legitimamente continuar a existir é inaceitável que haja cidadãos portugueses de primeira e de segunda no que diz respeito à possibilidade de a ele acederem.

Como oportunamente sintetizou Carlos Guimarães Pinto:

A ideia da ADSE é boa. Oferecer liberdade de escolha na saúde é uma boa medida. Que o estado deixe de ser prestador de cuidados de saúde para ser apenas financiador e regulador é um bom passo em frente na desestatização da saúde. Dito isto, permanece a desigualdade: apenas é dado o direito de escolha aos funcionários públicos. Enquanto os funcionários do sector privado apenas têm acesso aos seguros privados, os funcionários públicos têm acesso aos seguros privados e ao seguro público (ADSE). O seguro é público, mas não é de todos.

Por isso se justifica integralmente a petição pelo alargamento do acesso à ADSE a todos os trabalhadores, bem como a respectiva fundamentação:

É uma discriminação injusta e injustificada que o acesso a um serviço de saúde superior como aquele que é providenciado pela ADSE esteja restrito aos trabalhadores da função pública. Não encontramos qualquer motivo para que a existência desta discriminação entre cidadãos portugueses no acesso a cuidados de saúde se mantenha depois de mais de 40 anos de democracia. Os peticionários vêm por isso propor que a possibilidade de beneficiar da ADSE seja aberta a todos os trabalhadores portugueses, nas mesmas condições, independentemente do empregador.”

Seria bom que os mesmos governantes e políticos que tanto gostam de invocar o princípio da igualdade fossem – por uma vez – consistentes na sua aplicação, até porque o que está em causa é a saúde dos portugueses.

Professor do Instituto de Estudos Políticos da Universidade Católica Portuguesa

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Economia

Uber: economia de partilha ou rentismo?

André Azevedo Alves
149

Combater um paradigma político de economia extractiva assente em múltiplos processos de rent-seeking exige, infelizmente, bastante mais do que novas plataformas tecnológicas e slogans atractivos.

Doenças Cardiovasculares

Uma questão de civilização

José Fernandes e Fernandes
121

Nas doenças cardiovasculares é fundamental reconhecer que para certos procedimentos, pela sua raridade e mobilização de recursos, é melhor e mais rentável centralizar a sua execução.

Serviço Nacional de Saúde

Consensos

Fernando Leal da Costa

Querendo consensos, não parece avisado que se tratem os principais partidos como “filhos e enteados”. Não se pode apagar uma fogueira onde só se despeja combustível.

Ministério da Saúde

Palavra dada é honrada?

Fernando Leal da Costa
321

Se houve ponto de viragem foi no acumular de dívidas dos hospitais do SNS, nos atrasos de pagamentos, nas faltas de medicamentos, nos atrasos nos exames de imagem, no aumento da despesa com tarefeiros

União Europeia

Brexit, o teste ao futuro europeu

Helena Garrido

Se a saída do Reino Unido da União Europeia for um sucesso, outros cairão na tentação e o projecto não resistirá. Se for um fracasso, de tensão política e crise económica, a UE ainda se desunirá mais.