Logo Observador
Bloco de Esquerda

O fim do Bloco de Esquerda

Autor
120

A incapacidade da coexistência entre a ala radical e marxista e a ala socialista e moderada demonstra ainda, mais uma vez, que as duas grandes famílias da esquerda portuguesa nunca se entenderão

Para todos os efeitos, o projecto político do Bloco de Esquerda acabou. O partido ainda existe, não desaparecerá de um dia para o outro, mas o fim será penoso, e os ódios tribais causarão certamente vítimas. O Bloco de Esquerda acaba precisamente quando, segundo muitos dos nossos intelectuais de esquerda, deveria estar a crescer. Quase todos os dias nos recordam da “pior crise do capitalismo desde 1929”, “do egoísmo da Europa tecnocrática e monetarista”, de “um governo neo-liberal apostado em destruir o Estado social”. E o Bloco de Esquerda que ataca o capitalismo, a Europa “deste Euro”, o neo-liberalismo e o governo, em vez de crescer eleitoralmente, de se unir e atrair outros na esquerda, está a desaparecer. Como se explica este fenómeno aparentemente contraditório?

Uma explicação óbvia reconhece o apoio da maioria dos portugueses ao capitalismo, ao Euro e à necessidade de reformar o Estado social. Mesmo muitos que achavam uma certa graça ao Bloco quando se trata de decidir o que realmente conta, como receber salários ou manter as poupanças em Euros, não se identificam com posições radicais e não estão dispostos a dar o seu voto a quem brinca com coisas sérias.

A incapacidade de crescer durante a crise demonstra a dimensão do fracasso do Bloco de Esquerda. O Bloco foi um fenómeno político de tempos de prosperidade. O seu eleitorado foi a burguesia urbana, intelectual e liberal nos costumes, que estava disposta a apoiar causas sociais quando tudo lhes corria bem. Os salários cresciam, as pensões e, para muitos, os subsídios do Estado estavam garantidos, e a vida corria sem sobressaltos de maior. Estavam disponíveis para umas campanhas a favor de causas fracturantes, o que de resto fazia muito bem ao ego de de quem de identifica como moderno e progressista. Mas a última coisa que desejavam era grandes mudanças e muito menos revoluções. Um partido de líderes revolucionários tinha no essencial um eleitorado satisfeito com a sua vida. Tal como no caso do PSD, também o Bloco de Esquerda tem membros à direita dos líderes, e eleitores à direita do partido.

Quando a situação mudou, a realidade se tornou muito mais difícil e o que parecia adquirido deixou de estar garantido, os eleitores deixaram de seguir as loucuras revolucionárias dos chefes. Podem não o reconhecer em público, mas nenhum progressista urbano quer perder o Euro, tal como os altos funcionários públicos não pretendem uma segunda estadia da “troika” ou, pior, a bancarrota. E sabem que seria esse o desfecho se se aplicasse as receitas do Doutor Louçã. No fundo, embora não admitam, estão agradecidos à Europa, a Merkel e a Passos Coelho porque lhes garantiram tudo o que foi possível salvar.

O Bloco de Esquerda acabou porque a sua resposta à “pior crise do capitalismo” assusta a maioria dos seus eleitores. O fim mostra igualmente que em Portugal só há espaço para dois partidos de esquerda, os socialistas e os comunistas. Nada melhor do que uma crise para separar o essencial do acessório; e o Bloco foi sempre acessório. Agora, uns regressarão à velha UDP, que de resto nunca desapareceu (o que indica que nunca acreditaram verdadeiramente no Bloco). O Doutor Louçã irá dividir-se entre manifestos e comentários televisivos, na esperança de ser outra vez candidato presidencial. Os outros continuarão as suas carreiras de comentadores, criando partidos nas horas livres, mas sempre com a aspiração de um dia chegarem a Secretários de Estado de um governo socialista.

A incapacidade da coexistência entre a ala radical e marxista e a ala socialista e moderada demonstra ainda, mais uma vez, que as duas grandes famílias da esquerda portuguesa nunca se entenderão. Não levem a sério tudo o que se diz na campanha socialista, o fim do Bloco mostra também que PS e PCP nunca poderão governar juntos. Sem maioria absoluta, o PS está condenado a governar com o PSD ou com o CDS (ou com ambos). E nem o Bloco de Esquerda conseguiu acabar com essa fatalidade socialista. Por isso, acabou.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
25 de Abril

Os restos do salazarismo que vivem entre nós

João Marques de Almeida
319

Quando nos aproximamos de mais um 25 de Abril há heranças preocupantes do Estado Novo que vivem entre nós. Mas ao contrário do discurso do regime, são as esquerdas que mais beneficiam dessas heranças.

Presidenciais em França

A revolução francesa em curso

João Marques de Almeida

Se Le Pen passar à segunda volta e Fillon for derrotado, ainda o cenário mais provável, tal como a derrota dos socialistas, a chamada “maioria republicana” contra os extremos não vai sobreviver.

Polémica

PHDA e metilfenidato: mitos e realidade

SPDA

Sociedade Portuguesa de Défice de Atenção 
responde a vice-presidente da Ordem dos Psicólogos sobre hiperatividade, défice de atenção e consumo de metilfenidato em Portugal.