Presidente Trump

Por uma questão de confiança

Autor

Trump mudou a geometria das alianças: apagou a palavra “aliado” e iniciou uma política que privilegia a relação com outros estados poderosos, sem olhar ao seu comportamento doméstico ou internacional.

Quando escrevi o artigo da semana passada, sobre Putin e os seus adeptos, não sabia que o assunto ia voltar a fazer manchetes de jornais, ainda que indiretamente. Mais uma vez, Moscovo aparece alegadamente envolvido com a administração americana e os seus serviços secretos.

O presidente Donald Trump está sob pesado escrutínio da imprensa norte-americana – com fortes ecos nos media internacionais– pela demissão de James Comey, diretor do FBI, sem apresentar de uma justificação que convença muita gente.

Como se não bastasse, começaram a surgir informações, por confirmar (não me lembro de uma Casa Branca com tantas fugas de informação), de que as relações do presidente com o FBI terão azedado porque Comey insistiu em investigar os relações de Mike Flynn ao embaixador russo em Washington, forçando a demissão do então Conselheiro de Defesa Nacional. O diretor do FBI persistiu ainda em levar avante a investigação das ligações de membros proeminentes da administração com o Kremlin. Carrego o texto de “alegadamentes” porque, na verdade, nenhum destes assuntos está definitivamente confirmado.

Mas ainda mais inquietante, para o mundo, terá sido a reunião de Donald Trump com o ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Sergey Lavrov, com quem o presidente dos EUA terá, “alegadamente” (outra vez), partilhado informação secreta sobre o Daesh, obtida junto de um aliado, aparentemente Israel. Se, por um lado, o presidente americano não terá ultrapassado os seus poderes, por outro, dizem os media, que as revelações podem pôr em risco agentes de estados aliados. Estados aliados?

É aqui nesta expressão – estados aliados – que se encontra a chave de todos estas questões. Os repetidos episódios da relação privilegiada que Donald Trump quer por força estabelecer com a Rússia, apesar das óbvias tensões com o seu gabinete, são reveladores de problemas muito mais simples, mas igualmente importantes, que o presidente dos Estados Unidos pôs em causa: a continuidade em política externa, a geometria de alianças e a confiança entre estados. Estes três elementos, prove-se o que se provar, já estão profundamente abalados.

Primeiro a continuidade: Trump mostra-nos todos os dias que é um Jacksoniano. Podia escrever-se um tratado sobre esta tradição identitária americana (que mais que uma fação política é um estado de espírito que atravessa uma parte da sociedade e se torna importante em momentos de crise), mas o mais importante é que esta linha representa uma acentuada rutura com o passado. Os Jacksonianos são fechados em si mesmos, preferem centrar-se nos seus problemas internos, mas reconhecem que às vezes é preciso dar um jeitinho no mundo para poderem dormir descansados. Daí as diversas demonstrações de força norte-americana durante o mês passado. Os Jacksonianos também não gostam que o exterior lhes diga o que fazer, por isso quando atuam internacionalmente, atuam sozinhos. Não gostam de organizações internacionais, não gostam da ideia de proteger aliados a troco de legitimidade, não gostam da ideia de que a democracia deve ser o fator de legitimidade dos estados e preferem deixar as esferas de influência de outros estados a esses mesmos estados. Trump e os seus ataques cirúrgicos, mas assertivos, mostram isso mesmo. São avisos a estados fracos que perturbam a estabilidade internacional (Síria, Coreia do Norte, Afeganistão) e aos estados poderosos, como a Rússia e a China, que não são capazes de controlar os seu estados-clientes.

O que nos leva ao segundo ponto, o que me parece ser o mais importante. Trump transformou completamente a geometria das alianças norte-americanas. Melhor, apagou a palavra “aliado”, iniciando uma política externa que privilegia a relação com outros estados poderosos, sem olhar ao seu comportamento doméstico ou internacional, o que é um comportamento incaracterístico dos EUA. Se Washington quer é dedicar-se a assuntos internos, a proteção de aliados fracos é um fardo, tornando-se uma necessidade a relação com estados capazes de pacificar determinadas zonas atribuladas do globo.

Esta mudança na política de alianças (ou a falta dela) leva-nos ao último ponto. É certo que a teoria das relações internacionais nos diz – e bem – que a maioria dos estados procuram relações cordiais com os parceiros mais poderosos, pelo menos enquanto não tiverem poder para os destronar. Por isso, não será de admirar que líderes de todo o mundo, incluindo os aliados tradicionais, ainda que desapontados, continuem a ir à Casa Branca e a receber altos dignatários de Washington. Porém, a prática diz-nos que o comportamento dos estados continua a ser a moeda de troca da diplomacia. Ora, as reviravoltas da nova administração só podem levar à perda de confiança dos que, durante décadas, olharam para os Estados Unidos como líderes do mundo livre. Sabe-se da vida comum que a confiança, uma vez perdida, é difícil de recuperar.

Esta mudança é profunda. Não faz manchetes de jornal, porque a ordem internacional (a forma como os estados se organizam entre si para evitar guerras) é tão importante quanto (quase) invisível. Esta experiência é nova e não lhe sabemos o impacto final. Porque não lhe conhecemos o desfecho. Disse Gramsci, nos anos 30 do século passado, que “o velho mundo está a morrer, o novo tarda em nascer. E neste claro obscuro chegam os monstros”.

Esperemos que, desta vez, Gramsci esteja enganado.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Alemanha

Os custos da crise alemã

Diana Soller

As questões de desentendimento dos partidos alemães predispostos a formar uma coligação são assuntos que dizem respeito à construção (ou reconstrução ou desconstrução) europeia.

Presidente Trump

Donald Trump, o Príncipe Asiático

Diana Soller

A relação EUA-China passou a ser central para Washington. Pequim é o Estado que pode comprometer o equilíbrio do sistema internacional e, por isso, está no topo das prioridades da Casa Branca.

Presidente Trump

Um ano com Trump

Diana Soller

Transformações desta natureza, que radicam na forma como o Presidente Trump lê o mundo e as novas regras que usa para interagir com os estados tendem a ter um impacto mais profundo e duradouro.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site