Logo Observador
Carlos César

Um dia o povo dirá “basta”

Autor
4.642

O regime está muito mais doente do que parece. Casos como a TAP, Carlos César ou EDP são apenas a ponta do iceberg. Os políticos e a justiça andam a brincar com o fogo. O povo não é estúpido.

Até António Costa assumir a liderança do Governo, com o apoio da esquerda, o regime tinha no PCP e no Bloco de Esquerda os principais guardiões do regime. Sendo contra o sistema eram, na prática, o seu seguro de vida com a denúncia dos abusos de poder do bloco central, protagonizados pelo PS e PSD.

Neste momento, comunistas e bloquistas começam de novo a apontar o dedo ao assalto à administração pública e a algumas empresas, mas estão completamente manietados pelo PS. As suas críticas existem, mas a sua eficácia é bastante reduzida, desconhecendo-se se é por puro cálculo político ou se existem outras razões. O PSD de Pedro Passos Coelho acaba por ser o que grita mais alto “é uma vergonha”. Mas ninguém o quer ouvir, quer porque os sociais-democratas também têm um passado longe de estar limpo, quer porque Passos deixou cair nas suas costas a responsabilidade pelos anos de chumbo da troika.

Do lado da justiça estamos a percorrer um perigosíssimo caminho, como alerta Nuno Garoupa, um dos economistas portugueses que conhece mais profundamente o sistema português. Sucedem-se os casos, há uma generalização de arguidos no PSD, no PS e entre os gestores de empresas com ligações directas ou indirectas a negócios com o Estado. O caso mais grave é o de José Sócrates por ter sido primeiro-ministro. Mas continuamos a ter os casos BPN e BES juntando-se agora a EDP.

Ter arguidos, ou mesmo acusados, sem condenações será tanto ou mais grave do que não iniciar os processos contra os “poderosos”. Claro que não se está a defender que a justiça force condenações para se salvar a ela própria. Mas investigadores, procuradores e juízes têm de ter consciência do enorme desafio que têm pela frente. E têm de ter a noção da ameaça ao regime que constituem processos menos cuidados contra figuras mediáticas vistas como poderosas pela opinião pública.

Já vai longe o tempo em que António Guterres se demitiu por considerar que vivíamos num “pântano”. Desse ponto de vista foi visionário. Não conseguindo secar o pântano foi-se embora, como depois fez o mesmo José Manuel Durão Barroso. Cada um tratou da sua vida à sua maneira. Tendo estes exemplos como referência, resta-nos agradecer a quem ficou, a Pedro Passos Coelho e agora a António Costa. E não é ironia.

O país está neste momento demasiado polarizado para perceber que há políticos que se dedicam de facto à causa pública. Podemos não concordar com eles mas quer Passos Coelho como Costa têm uma carreira que nos mostra que procuram o bem público – tal como Jerónimo de Sousa, Catarina Martins e Assunção Cristas.

Dito isto, aquilo a que assistimos são a escolhas ditadas por convicções, circunstâncias ou condicionalismos diversos tendo como pano de fundo a manutenção do poder. Alguns exemplos. A oportunidade perdida na redução das rendas da EDP foi em grande medida ditada pelo estado de necessidade financeira em que o país estava: para entrar dinheiro em grande na privatização vindo do exterior, neste caso de chineses, para um país que estava na bancarrota. A reversão da venda da TAP é um caso que ainda hoje está muito mal explicado. Muitos limitam-se a dizer que a razão é ideológica. Ideológica quando temos a rede eléctrica e a produção e distribuição de electricidade privatizada? O tempo mostrará a razão pela qual se reverteu a privatização de uma empresa com uma dívida monumental. Outras reversões são compreensíveis à luz da conquista do poder. É o caso dos transportes. Basta colocar-nos no lugar do PCP e da CGTP para perceber que a reversão da concessão dos transportes era uma questão de sobrevivência. Entre sobreviver e fazer uma aliança com o seu adversário histórico escolhe-se sobreviver.

Onde está aqui então o interesse público? Parece haver uma contradição com o que se escreveu uns parágrafos antes, mas não há. As acções, privatizações, renacionalizações ou reversões, são meios para atingir fins. Cada um à sua maneira considera que está a defender o que é melhor para o país. O problema é que os meios começam a revelar-se cada vez mais degradantes aos olhos da opinião pública.

É o caso dos empregos para os amigos e familiares. O caso que tem estado na actualidade neste momento é dos empregos da família de Carlos César. Claro que os familiares de políticos não estão impedidos de aceder a cargos de nomeação política quando têm qualificações. O problema, neste caso, é o número de familiares envolvidos. E o facto de boa parte dos portugueses, com ligações à administração pública, saber que está generalizada esta prática de empregos para os amigos, familiares e militantes partidários.

O regime está muito doente e sob uma séria ameaça. Os partidos de poder andam há demasiado tempo a brincar com coisas sérias, convencidos que com papas e bolos vão enganando os tolos dos eleitores. França mostrou que não é assim. Um dia o povo diz basta. Resta-nos esperar que o nosso “basta” seja à francesa, mesmo não se sabendo ainda muito bem o que traz Macron.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Autárquicas 2017

O (mau) trabalho das autarquias

Helena Garrido
1.286

O poder autárquico teve excelente papel nos primeiros anos da democracia. Hoje precisa de uma revolução. As eleições revelam de novo um escandaloso desperdício de dinheiro com prioridades irracionais.

Economia

Atenção ao regresso da dívida

Helena Garrido
3.795

O endividamento está de volta. É preciso lembrar erros cometidos na primeira década do século XXI, pois a festa está boa. A dívida não desaparece. É com ela que os países caem nas mãos dos credores.

Carlos César

Para além dos Césares

Rui Ramos
649

Em Portugal, há demasiados indivíduos e grupos de interesse cujas posições, estatutos e rendimentos dependem da sua relação com o poder político e representam um custo excessivo para a sociedade.