A receita do Estado com impostos cresceu 4,3% nos primeiros seis meses do ano, sendo a maior fatia deste aumento, mais uma vez, da responsabilidade da cobrança de IRS, cuja receita aumentou 427 milhões de euros. Já as empresas pagaram menos impostos ao Estado.

Cerca de 5,5 mil milhões de euros foi quanto o Estado arrecadou nos primeiros seis meses do ano só com IRS, mais 427 milhões de euros do que o registado na primeira metade de 2013. Este aumento é explicado pelo Governo como resultado da redução das melhorias no mercado de trabalho e no combate à fraude e evasão fiscal.

No entanto, o pagamento dos subsídios de férias nesta altura do ano (a devida e não no final do ano, como aconteceu em 2013) e o aumento dos salários em junho devido ao pagamento sem cortes (de apenas um mês) depois do chumbo do Tribunal Constitucional à norma do orçamento que impunha estes cortes, também fazem aumentar esta reforma.

Por outro lado, a receita com IRC caiu 7,7% face aos primeiros seis meses de 2013, o que representam menos 173,6 milhões de euros para os cofres do Estado provenientes das empresas. O IVA deu o segundo maior contributo para o aumento da receita do fisco, com um aumento da receita em 246,9 milhões de euros, mais 3,8%.

Nos impostos que dão menos receita ao Estado, verificaram-se também aumentos (com exceção do Imposto do Selo) em praticamente todos, com maior destaque para a receita do Imposto sobre Veículos (ISV), que cresceu 40,5% nos primeiros seis meses do ano.