Depois de 200 manifestantes terem desafiado o recolher obrigatório imposto no sábado pelo governador do Estado do Missouri, Jay Nixon, Ferguson assistiu a mais uma noite de violentos confrontos com a polícia na sequência dos protestos que começaram há uma semana após a morte do jovem afro-americano Michael Brown. A polícia tentou dispersar os manifestantes com gás lacrimogéneo. Foram detidas sete pessoas e há um ferido em estado crítico, escreve o Washington Post.

O recolher obrigatório decretado por Jay Nixon começou à meia-noite de domingo e menos de uma hora depois já havia manifestantes a gritar “Sem justiça não há recolher obrigatório”, “Somos todos Mike Brown! Temos o direito de nos reunirmos pacificamente!” e “Mãos ao ar, não disparem”. No lado oposto da rua estavam dezenas de polícias vestidos com equipamento anti-motim que avisou: “Estão a violar o recolher obrigatório imposto pelo Estado do Missouri. Dispersem ou poderão ser presos”, descreve o Washington Post. Alguns dos manifestantes terão cumprido o pedido, afastando-se, mas outros gritaram insultos contra a polícia, que disse que pelo menos um foguete foi disparado, segundo o New York Times. E foi aí que o caos começou. As autoridades dispararam bombas de gás lacrimogéneo e os manifestantes começaram a fugir. Alguns foram algemados. De acordo com os dois jornais norte-americanos, foram disparados tiros. Ron Johnson, capitão da polícia de trânsito do Missouri, disse ao Washington Post que um dos tiros teve como alvo um carro policial.

A intervenção da polícia foi decidida depois de as autoridades terem recebido informação de que um grupo de manifestantes armados estava dentro de um restaurante e que uma pessoa tinha sido baleada, disse Ron Johnson. Quando as autoridades chegaram ao local a vítima já tinha sido levada para o hospital pelos manifestantes. Johnson não revelou a identidade desse ferido, mas disse que se encontrava em estado grave.

Antes de impor um recolher obrigatório, no sábado, o governador Nixon declarou o estado de emergência. “Não queremos silenciar as pessoas de Ferguson, mas temos de lidar com aqueles que estão a calar a voz do povo com as suas ações”, disse. “Não vamos permitir que alguns desordeiros ponham em perigo o resto da comunidade. Se vamos fazer justiça, temos primeiro de manter a paz”. Alguns do que assistiram à conferência de imprensa de Nixon reagiram no momento, defendendo que um recolher obrigatório levaria a mais confrontos e pedindo permissão para estar nas ruas e tentar acalmar a violência, escreve o New York Times. Mas Roon Johnson disse que o recolher obrigatório entraria em vigor. “Não vamos forçá-lo com gás lacrimogéneo, mas sim com comunicação. Vamos dizer às pessoas: ‘Está na hora de ir para casa'”, assegurou Johnson.