O governador do Estado do Missouri declarou este sábado o estado de emergência e ordenou um recolher obrigatório na localidade de Ferguson, em Saint Louis, depois de mais uma noite de protestos contra a polícia.

Jay Nixon, governador do Missouri, convocou hoje uma conferência de imprensa para anunciar que assinou uma ordem que decreta o estado de emergência na localidade da cidade norte-americana de Saint Louis, e também um recolher obrigatório que estará em vigor desde a meia-noite até às 05:00 da madrugada.

A decisão não foi bem recebida pela população, que na conferência de imprensa, depois do anúncio, protestaram e gritaram para o governador “dormir não é opção” e “queremos justiça”.

Entretanto, segundo o The Wall Street Journal, o polícia federal norte-americana, o FBI, já enviou 40 agentes para investigar a morte do jovem Michael Brown, 18 anos, morto a tiro há cerca de uma semana por um polícia de Ferguson.

O estado de emergência e o recolher obrigatório surgem depois de mais uma noite de violência na localidade da cidade de Saint Louis. Segundo o jornal económico norte-americano, vários vidros foram partidos e negócios locais pilhados nesta mais recente onda de protestos.

Tudo isto acontece no dia em que a Polícia de Ferguson decidiu dar a conhecer o nome do agente que provocou a morte do jovem de 18 anos.

Darren Wilson trabalha há seis anos no departamento de polícia, e segundo as autoridades, não tem qualquer registo de ações disciplinares.

No entanto, e para revolta da população de Ferguson, as autoridades divulgaram ao mesmo tempo imagens e um vídeo que mostram Brown a participar num assalto (o roubo terá sido uma caixa de charutos no valor de 48,99 dólares, cerca de 37 euros) a uma loja de conveniência, 15 minutos antes de ter sido morto.

As autoridades já disseram no entanto que o roubo em causa não estava relacionado com o contacto inicial entre o jovem e o polícia.