destaque

Há um líder no campeonato. Tem o melhor ataque, nove pontos amealhados e só sabe ganhar. E veste de azul e branco, certo? Quase, mas não. Só tem uma cor, a branca, e chama-se Vitória de Guimarães. À terceira jornada, o líder está no Minho e às custas de uma vitória, por 3-0, em casa do Belenenses — a segunda que já conseguiu longe da cidade-berço e a terceira em que conseguiu marcar três golos.

Desta vez, Bernard Mensah não marcou e continuou com os três golos que conseguiu nas duas primeiras jornadas. No Restelo, estas andanças ficaram para André André, Tomané e Alex, todos portugueses. Entre os nove que a equipa leva marcados na liga, Mensah foi o único estrangeiro a contribuir. Ou seja, em Guimarães, os golos, para já, gritam-se em português. Algo que, por exemplo, só aconteceu uma vez no FC Porto.

Os dragões voltaram a vencer. Agora, por 3-0. Óliver e Jackson, por duas vezes, apresentaram serviço. Os portistas chegaram aos nove pontos, mas só vêem as costas do Vitória de Guimarães por culpa da diferença de golos — ainda não sofreram e já marcaram seis, mas só um, o de Rúben Neves, na primeira jornada, foi português.

Em Lisboa, no primeiro derby, nenhum golo falou português. Culpa de Gaitán e Slimani. Mas houve futebol. Houve bola na relva, muitas trocas de passe, ataques viciados na velocidade e oportunidades de golo a repetirem-se. Nada de confusões, expulsões ou árbitros no centro da polémica. No Estádio da Luz, só houve futebol, do jogado. Acabou num 1-1 e quem lucra com isso é o FC Porto, que ganhou vantagem a ambos os rivais. E, já agora, o líder Vitória de Guimarães.

desilusão

São 34 jornadas. E 102 pontos disponíveis. Nos primeiros três jogos, o Gil Vicente só coleccionou derrotas. Resultado: João de Deus foi despedido, quando tinha ainda 31 encontros pela frente. À terceira jornada, portanto, a primeira “chicotada psicológica”, dita à moda portuguesa.

Quem a sofreu foi o treinador que, na época passada, deixou a equipa na 13.ª posição. O mesmo que, por exemplo, à 11.ª jornada da última edição do campeonato, estava no 4.º lugar, a seis pontos de um lugar de acesso à Liga dos Campeões. Agora, a direção do Gil Vicente “decidiu prescindir dos serviços do treinador devido ao acumular de resultados negativos”.

Quase os mesmos que o Estoril-Praia registou. A equipa voltou a perder: desta vez em Braga, por 2-1. Na passada semana, tinha sofrido cinco golos em casa, frente ao Rio Ave. Um empate e duas derrotas é o saldo da viagem que José Couceiro já fez, após pegar no volante que fora de Marco Silva nas três épocas anteriores — a mesmo que, por enquanto, deixa uma equipa da Liga Europa no 14.º posto da liga. Talvez a Traffic, empresa brasileira que gere o Estoril-Praia, tenha mais paciência que a direção do Gil Vicente.

frase

“Precisamos de jogadores. Estamos um pouco apertados”. Quem o disse foi Julen Lopetegui, o espanhol que está a tentar enraizar no FC Porto um vício em ter a bola, em mantê-la longe de pés adversários e tentar inventar coisas com ela. Para o fazer, teve de ir às compras. Ou pediu ao clube para o fazer. E fez: ao Dragão chegaram 13 jogadores, seis deles espanhóis. E o treinador ficou com duas opções para cada posição.

A frase surgiu após a vitória frente ao Moreirense (3-0), onde Óliver Torres, médio espanhol de 19 anos, emprestado pelo Atlético de Madrid, sofreu uma luxação no ombro. Ao que parece, a recuperação demorará algumas semanas. Logo, Lopetegui quer acrescentar mais nomes a um plantel que já conta com 28 jogadores — e anunciou-o a um dia do fecho do mercado de transferências.

O FC Porto, em suma, terá duas hipóteses: ou realiza uma contratação relâmpago durante a madrugada de segunda-feira, ou contrata um jogador que esteja atualmente sem clube e livre de qualquer contrato (a esses, o período de transferências não se aplica).

resultados

Académica 1-1 Vitória de Setúbal
Belenenses 0-3 Vitória de Guimarães
Sporting de Braga 2-1 Estoril-Praia
Gil Vicente 1-2 Marítimo
Penafiel 0-1 Paços de Ferreira
FC Porto 3-0 Moreirense
Nacional da Madeira 2-0 Arouca
Benfica 1-1 Sporting
Rio Ave – Boavista, a jogar às 20h de segunda-feira

A par da terceira vitória consecutiva do Vitória de Guimarães — duas delas por 3-0 –, os dragões também continuaram a vencer. O Estoril-Praia ainda não atinou e, desta feira, foi a Braga perder. Já o Penafiel, Belenenses e Gil Vicente ficam como as equipas que, à 3.ª jornada, receberam visitas e, uma hora e meia depois, estavam no lado dos derrotados.

E caso o Rio Ave vença na segunda-feira o Boavista, juntar-se-á ao Guimarães e ao FC Porto como líder. E só ficará atrás da equipa orientada por Rui Vitória, porque também aí a diferença de golos não abonará a favor dos dragões.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR