O PSD diz que apesar das declarações de Cavaco, que imputam ao Governo todas as responsabilidade na resolução da crise do GES, as relações entre o Presidente da República e “todos os órgãos de soberania”, “estão impecáveis”. Marco António Costa afirma que os factos que levaram à remodelação do grupo e ao aparecimento do Novo Banco “apanharam de surpresa” o próprio conselho de administração do Banco de Portugal.

Segundo o vice-presidente do PSD, na altura, Carlos Costa, governador do Banco de Portugal, deu “nota de forma muito clara que tinha acontecido um conjunto de factos que apanharam de surpresa o conselho de administração do Banco de Portugal”. O social-democrata diz que estas declarações deram a “perceção que não tinham sido cumpridas as orientações BdP”.

Marco António Costa lembra que na altura foram utilizadas palavras “pouco vulgares” e “relativamente duras” por parte de Carlos Costa, chamando a atenção para a gravidade da situação. O número dois dos partidos assegurou ainda que “o PSD tem procurado promover transparência” nesta questão e que o partido prossegue os esforços de apuramento de responsabilidades na Comissão de Orçamento, Finanças e Administração Pública e na futura comissão de inquérito ao BES.