O primeiro-ministro britânico David Cameron disse esta terça-feira que a rainha Isabel II “ronronou” de felicidade quando este lhe telefonou para a informar sobre o resultado negativo do referendo escocês à independência, no passado dia 18 de setembro. Cameron foi apanhado em vídeo pela Sky News enquanto falava com Michael Bloomberg, o antigo mayor de Nova Iorque, numa acidental quebra da convenção segundo a qual o primeiro-ministro nunca pode falar sobre as conversas que tem com o monarca, escreve o Guardian.

Durante toda a campanha, a rainha manteve-se neutral, não apoiando nenhum dos lados, mesmo depois de alguns deputados britânicos terem pedido a intervenção de Isabel II, por considerarem que esta “faria toda a diferença” num referendo que nas sondagens aparecia empatado. A quatro dias das votações, a rainha disse, numa conversa privada, que esperava “que as pessoas da Escócia pensassem muito bem sobre o futuro”.

“Ela ronronou. Nunca ouvi ninguém tão feliz”, disse Cameron a Bloomberg, de acordo com a BBC e a Sky News. O vídeo da conversa pode ser visto aqui.

O primeiro-ministro britânico confessou também a Bloomberg a sua frustração com as empresas de sondagens por terem sugerido que o resultado seria renhido. “Já disse que gostava de encontrar essas empresas e processá-las pelas minhas úlceras no estômago por aquilo que me fizeram passar. Fiquei mesmo nervoso.” O resultado acabou por não ser tão próximo assim, com o “Não” a sair vitorioso, dez pontos à frente do “Sim” (55% contra 45%).

Tanto o gabinete de Cameron como o Palácio de Buckingham já recusaram comentar as declarações do primeiro-ministro.

Depois de terem sido conhecidos os resultados, a rainha disse publicamente esperar que a Escócia se una num “espírito de respeito e apoio mútuo”, apesar dos “fortes sentimentos e das emoções contrastantes”.