Mundo

Casa Branca esteve ‘desesperada’ por defender Clinton contra Lewinsky, revelam os 10 mil páginas oficiais

Foram divulgadas cerca de 10 mil páginas confidenciais sobre o caso de Bill Clinton com Monica Lewinsky, que dão conta de que o ambiente entre os assessores da Casa Branca era de pânico e stress.

Os documentos vieram colocar novamente nos media o passado de Hiillary Clinton

Getty Images

Foram divulgados milhares de documentos confidenciais que envolvem a tentativa “desesperada” de defender Bill Clinton no caso contra Monica Lewinsky, revela o The Telegraph. As 10 mil páginas que continham dados sobre o caso vieram a público na sexta-feira à noite, vindos da Biblioteca Presidencial de Clinton, e colocaram novamente os holofotes sobre o passado de Hillary Clinton.

Entre os documentos, estavam mais de 200 páginas de emails e notas sobre Monica Lewinsky, a estagiária que teve relações sexuais com Bill Clinton, e que levou o ex-Presidente norte-americano a mentir sobre o caso.

Nos documentos, denota-se uma “sensação de pânico” entre os assessores de imprensa a propósito da notícia de 21 de janeiro de 1998, dia em que o Washington Post denunciou o caso de 18 meses de Lewinsky com o ex-presidente norte-americano. Bill Clinton negou as acusações durante os seis meses.

Num dos documentos, um dos assessores revela que se as alegações forem verdadeiras, estavam perante um “colapso de julgamento”, referindo-se ao Presidente dos Estados Unidos da América (EUA). Contudo, também é claro no email de que havia esperanças de que os relatórios estivessem errados e especulava-se que o “tiro podia sair pela culatra” a Ken Starr, o promotor especial que “perseguia incansavelmente” a família Clinton, escreve o The Telegraph.

Nalguns email anteriores ao rebentar do escândalo, também é evidente a “natureza relativamente mundana” das tarefas de Lewinsky. Numa nota assinada pela estagiária, de março de 1996, consta um pedido oficial para pendurar a imagem do Presidente Clinton a assinar a Telecom Bill no seu escritório.

No mês seguinte, quando a relação com o ex-presidente ia a meio, Lewinsky é novamente assunto entre os assessores, que revelam que querem ter a “certeza de que ela tem emprego numa agência”. Os funcionários da Casa Branca deixaram claro, na altura, que tinham procurado transferir Monica Lewinsky para o Pentágono, por causa da sua paixão por Clinton.

O nosso objetivo é certificarmo-nos de que ela tem um emprego numa agência. Estamos a trabalhar para isso”, escreveu Patsy Thomasson, que na altura dirigia a equipa da Casa Branca, acrescentando que estavam em conversações com o Departamento da Defesa.

Nos documentos divulgados na sexta-feira, é evidente que a Casa Branca estava sobre “um imenso stress”. Os assessores também defendiam todos os que estavam próximos do Presidente, como a secretária pessoal Bettie Currie, que foi chamada a testemunhar em tribunal cinco vezes. “Pobre Betty, se alguma coisa aconteceu, ela não sabia nada sobre isso, definitivamente “, escreveu um estagiário.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: apimentel@observador.pt
Finanças Públicas

Como evitar um 4º resgate? /premium

Paulo Trigo Pereira

Portugal necessita de mais doze anos (três legislaturas completas) de crescimento económico e de finanças públicas quase equilibradas para sair da zona de risco financeiro em que ainda se encontra.

Brexit

Boris Johnson /premium

João Marques de Almeida

Em Londres, só um louco ou um suicida é que defenderiam o acordo assinado com a União Europeia. Resta saber se os líderes europeus terão a lucidez de reconhecer o evidente: o acordo que existe morreu.

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)