O ex-secretário-geral do Partido Popular (PP) em Madrid Francisco Granados e vários construtores civis foram esta segunda-feira detidos numa megaoperação contra a corrupção que envolve rusgas em empresas e casas particulares, confirmaram fontes policiais.

Francisco Granados, que foi número dois da ex-presidente do Governo regional, Esperanza Aguirre, e destituído do cargo de secretário-geral do PP no final de 2011, está a ser investigado por uma conta com 1,5 milhões de euros.

Na operação, que começou hoje de manhã, foram detidas várias pessoas envolvidas em alegados casos de corrupção, como o pagamento de dinheiro a troco de favores políticos.

Em fevereiro deste ano, Francisco Granados renunciou ao mandato no Senado espanhol depois da publicação das primeiras notícias relativas à existência da sua conta na Suiça, que terá mantido, alegadamente, quando era alcaide (presidente) do município de Valdemorillo, nos arredores de Madrid.

Na altura, Granados tinha garantido não ter qualquer conta na Suiça, admitindo que possuiu uma, com um saldo de 300 mil euros, entre 1996 e 2000, devido ao seu trabalho na bolsa de investimento.

Esperanza Aguirre, na altura chefe do Governo regional madrileno, considerou então que a demissão de Granados era positiva e que o seu ex-número dois não tinha dado explicações suficientes.

Granados – que foi secretário-geral do PP em Madrid entre 2004 e 2011, manteve, segundo as autoridades suíças, uma conta no país entre 1999 e 2013.

Um juiz espanhol está a investigar, desde final de 2013, a procedência dos fundos, sob suspeita de que podem tem origem em comissões ilícitas por requalificações fraudulentas de terrenos e outras obras