José Sócrates, ex primeiro-ministro português, foi detido na noite de sexta-feira – o primeiro caso deste género em Portugal. Antes dele, porém, muitos outros casos aconteceram pelo mundo fora. Fica aqui alguns exemplos.

  • Silvio Berlusconi – A detenção do ex-primeiro-ministro italiano resultou na condenação a sete anos de prisão e inibição de exercer qualquer cargo público, por ter pago por sexo a uma menor. Acabou ilibado num recurso. Foi também condenado a quatro anos de prisão por evasão fiscal, mas acabou por cumprir apenas a pena de trabalho comunitário.
  • Nicolas Sarkozy – O ex primeiro-ministro francês foi detido por tráfico de influências e violação do segredo de justiça, tendo sido interrogado durante 24 horas. O processo aguarda desenvolvimentos, mas Sarkozy já anunciou uma candidatura à liderança do seu partido.
  • Yungluck Shinawatra – Duas semanas depois de ter sido destituída do cargo de primeira-ministra pelo Tribunal Constitucional da Tailândia, Yungluck Shinawatra e alguns familiares foram detidos por abuso de poder.
  • Yulia Tymoshenko – A ex-primeira-ministra Ucraniana é repetente nas detenções. Foi detida uma primeira vez durante 42 dias por contrabando de gás russo e fuga ao fisco e uma segunda por desrespeito ao tribunal – tendo sempre clamado que estava a ser vítima de um processo político. Acabou por ser libertada, anos depois.
  • Ehud Olmet – O ex-chefe de Governo israelita foi condenado por um tribunal de Telavive, depois de dois anos de julgamento, por corrupção ligada a um negócio imobiliário, um projeto multimilionário construído à custa de regalias e luvas pagas a várias pessoas pelos promotores.

Outros casos conhecidos são também os de Ali Zeidan (Líbia), Agim Ceku (Kosovo), Gomes (Guiné-Bissau), Saddiq-al-Mahdi (Sudão), Vano Merabishivili (Georgia), Ahmed Nazif (Egipto) e Alberto Fujimori (Perú).