Pelo menos 97 jihadistas morreram em diversas operações lançadas este domingo contra o grupo radical Estado Islâmico nas províncias de Nínive (norte) e Diyala (este), bem como 17 soldados iraquianos e forças de segurança.

Segundo disseram à agência Efe fontes militares e de segurança iraquianas, 21 jihadistas morreram num bombardeamento aéreo lançado por um avião iraquiano não tripulado contra um quartel do Estado Islâmico (EI) na zona de Al Qayara, a 50 quilómetros a sul de Mosul – capital da província de Nínive -, que foi utilizado pelos radicais como campo de treino.

Uma outra fonte militar iraquiana referiu ainda que numa operação lançada mas últimas horas para recuperar populações no nordeste de Bagdad, morreram pelo menos 70 radicais islamitas e 17 soldados iraquianos e das forças de segurança.

Esta operação, que também foi apoiada por tropas da região autónoma do curdistão iraquiano e por voluntários ligados ao Governo, visava libertar as populações de Al Saadiya e Yalula, no nordeste Baquba, capital provincial de Diyala, controladas pelo Estados Islâmico desde há vários anos.

A fonte referiu também que as forças iraquianas libertaram mais de dois terços de Al Saadiya, a 60 quilómetros a nordeste de Baquba, bem como cinco aldeias agrícolas periféricas.

Por outro lado, as forças curdas tomaram o controlo da maior parte de Yalula, a 70 quilómetros a noroeste de Baquba.

Noutro local, pelo menos seis pessoas morreram e outras 15 ficaram feridas devido à explosão de um carro bomba na zona de Al Yusufiya, a 20 quilómetros a sul de Bagdad, segundo uma fonte policial.

Em junho passado, o Estado Islâmico lançou uma ofensiva relâmpago que deu início ao domínio de amplas zonas no norte e centro do Iraque e no final desse mês foi proclamado um califado no país e na vizinha Síria.

A 13 de novembro passado, o EI divulgou uma gravação atribuída ao seu líder, Abu Bakr al Bagdad, em que anunciava a expansão do califado aos países do golfo Pérsico e norte de África, onde outras organizações radicais lhe juraram lealdade.