Tal como disse das medidas de Alexis Tsipras na Grécia, Pedro Passos Coelho disse que as propostas que António Costa e o PS têm vindo a apresentar “são outro conto de crianças”. O primeiro-ministro diz mesmo que o secretário-geral do PS não poderá fazer “radicalmente diferente” do que atualmente está a ser feito pelo Governo caso ganhe as próximas eleições e que não vê qualquer problema em haver “sintonia” entre Lisboa e Berlim.

Em entrevista ao Expresso, parcialmente publicada na edição de sexta-feira do Expresso Diário e que será divulgada na íntegra na edição de sábado do semanário, o primeiro-ministro considera que é “outro conto para crianças” dizer que “é possível superar uma quase banca rota a distribuir dinheiro e a expandir o Orçamento”. “Isso não bate com a realidade”, afirmou o primeiro-ministro sobre as propostas socialistas. Ainda sobre uma futura governação do PS, caso o partido vença as próximas eleições, o presidente do PSD não tem dúvidas: não é possível fazer “radicalmente diferente”.

Ainda sobre o PS e as posições defendidas pela oposição, Passos Coelho diz que estas decisões “importantes” do partido estão nas mãos “basicamente” das “mesmas que determinaram as escolhas do passado”. Noutro excerto da entrevista, o primeiro-ministro questiona mesmo se “há algum mal” em haver “sintonia entre Portugal e a Alemanha”.