O Presidente da Ucrânia afirmou este sábado que Boris Nemtsov, o líder da oposição russa morto na noite de sexta-feira, lhe tinha dito há umas semanas que planeava revelar publicamente provas da ingerência militar russa na Ucrânia.

“Há algumas semanas falámos sobre como construir relações entre a Ucrânia e a Rússia, sobre como gostaríamos que fossem. Boris disse-me que iria tornar públicas provas convincentes da ingerência militar russa na Ucrânia”, disse Petró Poroshenko, de acordo com a imprensa ucraniana.

O chefe de Estado ucraniano disse mesmo que “alguém” tinha muito medo que isso acontecesse. “Boris não tinha medo. Eles tinham medo. Eles mataram-no”, disse ainda.

Para Petró Poroshenko, Nemtsov era “um grande amigo da Ucrânia e um grande patriota da Rússia”, uma pessoa que “servia de ponte” entre os dois Estados”.

Boris Nemtsov, de 55 anos, foi morto em Moscovo na sexta-feira, baleado com quatro tiros, quando passeava com uma amiga perto do Kremlin.