O Presidente da Ucrânia, Petro Poroshenko, condecorou a título póstumo com a Ordem da Liberdade, o líder da oposição da Rússia, Boris Nemtsov, assassinado a tiro na sexta-feira no centro de Moscovo.

“Para nós, Boris sempre será um patriota russo e um amigo da Ucrânia”, disse Poroshenko na cerimónia de condecoração de Nemtsov com a maior distinção do Estado ucraniano para cidadãos estrangeiros.

Poroshenko refere, na página oficial da presidência na internet, que Nemtsov lutou pela liberdade na Rússia e na Ucrânia.

“‘Pela nossa e pela vossa liberdade’, este foi o lema de Boris Nemtsov. Por isso decidi condecorá-lo com a Ordem da Liberdade”, assinalou o chefe de Estado da Ucrânia.

Nemtsov mostrou-se sempre contra a política do Kremlin em relação à Ucrânia, durante a Revolução Laranja, em 2004 e no ano passado durante anexação da Península da Crimeia, que deu início a uma guerra que já fez mais de seis mil mortos.

De acordo com a oposição russa, tratou-se de um “crime político” e que marca a campanha das autoridades contra os “novos inimigos do povo da Rússia” e a todos os que se opõem à ingerência do Kremlin no conflito ucraniano.

“Foi a guerra que matou Nemtsov. Foi assassinado pela postura anti-belicista pelos que apoiam a política oficial de agressão contra os outros povos, incluindo os da Ucrânia”, disse à EFE o líder do Partido Liberal Yobloko, Serguei Mitrojin.

Milhares de cidadãos de Moscovo prestaram na última noite homenagem a Nemtsov, numa cerimónia religiosa que decorreu numa capela no Centro de Moscovo e que antecedeu o funeral que se realizou na capital russa.