Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O ministro das Finanças alemão Wolfgang Schäuble voltou a dizer que não lhe parece que seja possível chegar a um acordo com a Grécia, na reunião de 24 de abril, em Riga. As declarações foram proferidas este sábado, no decorrer da reunião com o Fundo Monetário Internacional (FMI), em Washington, nos Estados Unidos.

Wolfgang Schäuble foi o primeiro líder da zona euro a assumir publicamente a impossibilidade de chegar ao acordo, na passada quarta-feira. Este sábado disse ainda que a Grécia “tem de decidir o que quer”.

No decorrer da mesma reunião, Christine Lagarde, diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), disse que as reuniões sobre a Grécia tinham sido “produtivas” e que os parceiros da Grécia se devem certificar que se articulam (para chegarem a um acordo). E que o objetivo continua a ser “restaurar a estabilidade”.

Antes de Schäuble e de Lagarde, Mario Draghi, presidente do BCE, disse que a Grécia tem que trabalhar mais para chegar a um acordo e que esse trabalho era “urgente”.

Na sexta-feira, Barack Obama apelou para que o governo grego prossiga com as medidas de austeridade e satisfaça os credores internacionais. O presidente norte-americano também aos restantes países europeus para incentivarem a procura.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR