A procuradora de Baltimore anunciou que a morte de Freddie Gray, falecido uma semana depois de detido, é um “homicídio” e que seis polícias estão acusados pelo crime. A procuradora, Marilyn Mosby, apresentou à comunicação social as conclusões de um inquérito à morte do homem de 25 anos, ocorrida a 19 de abril, e que provocou violentos distúrbios naquela cidade dos Estados Unidos.

A responsável, citada pela agência espanhola EFE, adiantou que seis polícias, que tinham sido suspensos na semana passada, serão acusados por homicídio involuntário, acrescentando que foi, entretanto, emitido um mandado de detenção no dia 1 de maio. De acordo com os resultados do inquérito e da autópsia, o homem morreu de uma “ferida que lhe foi fatal enquanto seguia no veículo da polícia, sem cinto de segurança”.

Na sequência destas revelações, o Presidente Barack Obama disse que é “absolutamente vital” que a verdade sobre a morte do homem afro-americano seja revelada. “É absolutamente vital que a verdade venha ao de cima” sobre o que se passou com Freddie Gray, disse o Presidente norte-americano na Casa Branca, depois de serem conhecidas as acusações, que incluem assassínio em segundo grau e homicídio involuntário.

Depois da morte de Freddie Gray e do anúncio de que o homem teria morrido de uma fratura da vértebra cervical, a cidade de Baltimore tem sido palco de manifestações diárias, que entretanto degeneraram em confrontos com a polícia.

Gray foi detido a 12 de abril quando, ao estabelecer contacto visual com agentes da polícia, começou a correr. Os agentes detiveram Gray e encontraram uma navalha num dos bolsos das calças do jovem. Não se sabe, até à data, se os polícias suspeitavam que o jovem tinha uma arma branca antes do momento da sua detenção. Já detido, o jovem foi transportado numa carrinha policial, onde terá sofrido uma lesão cervical, que acabou por determinar a sua morte uma semana depois. Seis agentes da polícia foram suspensos.

Freddie Gray transformou-se num novo símbolo, como já tinha acontecido com o adolescente afro-americano Michael Brown (morto a tiro por um polícia em Ferguson, Missouri) no verão de 2014, da violência policial e da atitude de desconfiança que existe entre as forças policiais e as minorias nos Estados Unidos.

Na quarta-feira à noite, várias cidades norte-americanas, nomeadamente Nova Iorque, foram cenário de protestos contra a violência policial exercida na população afro-americana. Em Nova Iorque, as autoridades detiveram mais de 100 pessoas durante os protestos.