Olá

833kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Bruxelas: Portugal tem de reduzir défice abaixo de 3%

Este artigo tem mais de 5 anos

Comissário Europeu diz que a atingir a meta este ano é possível, mas será preciso ou mais crescimento do que o que se espera ou com mais medidas de consolidação.

Pierre Moscovici afirmou esta terça-feira que não é impossível Portugal reduzir o défice para menos de 3% este ano, seja com mais medidas ou mais crescimento
i

Pierre Moscovici afirmou esta terça-feira que não é impossível Portugal reduzir o défice para menos de 3% este ano, seja com mais medidas ou mais crescimento

AFP/Getty Images

Pierre Moscovici afirmou esta terça-feira que não é impossível Portugal reduzir o défice para menos de 3% este ano, seja com mais medidas ou mais crescimento

AFP/Getty Images

O comissário europeu para os Assuntos Económicos, Pierre Moscovici, afirmou esta terça-feira que não é impossível Portugal reduzir o défice para menos de 3% este ano e sublinhou que, seja com mais medidas ou mais crescimento, isso tem de ser feito.

A Comissão Europeia divulgou também as novas previsões para a economia portuguesa, numa atualização às previsões económicas que fez em fevereiro. No documento, Bruxelas melhora a previsão para o défice, mas apenas em uma décima, e continua a esperar que Portugal continue em situação de défice excessivo este ano.

O Governo espera que o défice não supere os 2,7% do PIB. A Comissão Europeia diz que não deve ser melhor que 3,1%.

Questionado na conferência de imprensa que se seguiu à divulgação do documento sobre a possibilidade de Portugal conseguir sair da situação de défice excessivo este ano, como acordado com o Conselho Europeu, o francês admitiu que a meta não era inalcançável mas que é preciso mais.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“O défice orçamental está previsto em 3,1% em 2015 e 2,8% em 2016. Obviamente que isso significa que não é inalcançável ficar abaixo dos 3% este ano. Veremos se através, talvez, de mais crescimento que o esperado ou se através de medidas adicionais isso pode ser feito, mas tem de ser feito”.

 
Assine um ano por 79,20€ 44€

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Já é assinante?
Apoio a cliente

Para continuar a ler assine o Observador
Assine um ano por 79,20€ 44€
Ver planos

Oferta limitada

Já é assinante?
Apoio a cliente

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Apoie o jornalismo. Leia sem limites. Verão 2024.  
Assine um ano por 79,20€ 44€
Apoie o jornalismo. Leia sem limites.
Este verão, mergulhe no jornalismo independente com uma oferta especial Assine um ano por 79,20€ 44€
Ver ofertas Oferta limitada