Economia

Três das maiores economias da América Latina vão estar em recessão este ano

O FMI previu que o Brasil, juntamente com Argentina e Venezuela, enfrentem uma recessão este ano, fazendo a América Latina crescer apenas 0,9 por cento, o nível mais baixo dos últimos 14 anos.

Getty Images

O Fundo Monetário Internacional (FMI) previu que o Brasil, juntamente com Argentina e Venezuela, enfrentem uma recessão este ano, fazendo a América Latina crescer apenas 0,9 por cento, o nível mais baixo dos últimos 14 anos.

“Estamos a prever um crescimento de apenas 0,9% para a América Latina, o valor mais baixo dos últimos 14 anos”, disse o responsável do departamento do Hemisfério Oeste, Alejandro Werner, na apresentação do relatório do FMI sobre a região, acrescentando esperar uma retoma moderada no próximo ano.

“O crescimento tem continuado a abrandar, a América do Sul tem estado a sofrer com o declínio do comércio, primeiro dos metais, depois da agricultura”, disse o responsável numa entrevista publicada no site do FMI, que dá conta de que o Brasil vai decrescer 1% este ano e crescer 1% no ano seguinte..

Os analistas do FMI estão a prever que a Argentina se contraia 0,3% este ano e avance 0,1% em 2016, ao passo que a Venezuela deve enfrentar uma severa recessão neste e no próximo ano, de 7 e 4%.

“A debilidade económica concentra-se nos países exportadores de matérias-primas da América do Sul, na medida em que a queda dos preços internacionais dos seus produtos agravou desafios específicos de cada país; assim, prevê-se que o PIB se contraia este ano em três das maiores economias ao sul (Argentina, Brasil e Venezuela), enquanto o Chile e o Peru serão os únicos a apresentar uma aceleração do crescimento”, lê-se no relatório hoje divulgado.

Para contrabalançar o abrandamento pelo quinto ano consecutivo do crescimento económico da América Latina, os países devem “garantir a solidez das finanças públicas, especialmente porque ainda há riscos importantes de queda do crescimento; mantenham sob controlo as vulnerabilidades do setor financeiro, uma vez que a capacidade de resistência dos devedores tem sido colocada à prova em um ambiente de lucros mais baixos, condições de financiamento mais difíceis e fortalecimento do dólar, e enfrentem os já conhecidos problemas estruturais para impulsionar o investimento e a produtividade”.

Sobre o Brasil, que deve sofrer uma recessão de 1% este ano e uma recuperação de 1% do PIB em 2016, os analistas do FMI consideram que o país “atravessa a sua desaceleração mais séria das duas últimas décadas, mas deve persistir nos seus recentes esforços para conter o aumento da dívida pública e recuperar a confiança no seu quadro de política macroeconómica”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Caixa Geral de Depósitos

E Berardo deixou-os nús /premium

Helena Matos
1.132

A fúria dos seus parceiros nasce não do que Berardo fez mas sim daquilo que expôs sobre eles e como exercem o poder. Do BCP ao CCB, Berardo, o capitalista de Estado, é a outra face do socialismo.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)