O Attica Park, em Atenas, é o único jardim zoológico da capital grega, mas corre o sério risco de encerrar portas brevemente. O aumento do IVA para 23% na Grécia também chegou ao preço dos bilhetes para visitar o Attica (trata-se de um parque de capitais privados) e, com isso, o número de visitantes (que já havia decrescido com a duradoura crise económica que assolou o país) caiu ainda mais.

No imediato, a dificuldade é a de alimentar os cerca de dois mil animais de 345 espécies diferentes. Os peixes congelados vêm da Holanda, os vermes da Alemanha e os suplementos vêm de França. As encomendas costumavam ser pagas a 60 dias, no entanto, há um par de semanas, quando o governo de Alexis Tsipras começou a negociar um acordo com os credores gregos para um terceiro resgate económico, os fornecedores exigiram que fossem pagas antecipadamente.

À Reuters, Jean-Jacques Lesueur, fundador do Attica Park, explicou que pretende pagar, “mas não temos como fazê-lo. O país está bloqueado, não posso transferir dinheiro [para o estrangeiro] e as nossas fontes de congelados não vão durar mais do que duas semanas”. Lesueur, um francês de 71 anos a viver há mais de 40 na Grécia, deixa um alerta desesperado: “É uma questão de vida ou de morte para os animais.”