Presidenciais 2016

Santana Lopes e Belém: “Desistir por causa de Marcelo é não me conhecerem”

110

Santana Lopes foi à SIC Notícias "desmistificar" o porquê de não ser candidato à PR. A decisão, tomou-a no verão. Não diz quem apoia, mas garante que seria "melhor candidato" que Rio e Marcelo.

Pedro Nunes/LUSA

Depois de, na quinta-feira, ter anunciado a decisão de não se candidatar à Presidência da República, o antigo-primeiro-ministro e ex-líder do PSD Pedro Santana Lopes explicou tudo e “desmistificou” os rumores da sua saída de cena em entrevista à SIC Notícias. Não foi por causa de dinheiro, muito menos por causa de Marcelo Rebelo de Sousa, disse. Foi pelas sondagens, e por aquilo que lhe diziam na rua. “Não senti o chamamento de Belém”, garante, admitindo que podia soar ligeiramente “místico”.  Certo é que a decisão foi “muito difícil” de tomar mas, no fim, a continuação do mandato enquanto provedor da Santa Casa da Misericórdia falou mais alto.

“Se eu sentisse esse movimento, se os estudos de opinião me dessem vantagem, o meu dever maior seria avançar. Mas as pessoas na rua, ou mesmo as pessoas que mais gostam de mim, diziam-me para não sair da Santa Casa”. E terá sido assim que percebeu que a Santa Casa era o seu dever maior, disse.

Sobre o rumor de ter-se afastado da corrida a Belém por ausência de financiamento ou por se sentir convicto de que Marcelo Rebelo de Sousa seria o candidato da direita, Santa Lopes quis deixar as coisas claras: “Dinheiro, não pedi a ninguém. Nem mandatei ninguém para que o fizesse por mim. E dizer-se que não avencei por causa de Marcelo, é não me conhecer”.

Sem “presunção”, palavra que repetiu várias vezes, Pedro Santana Lopes não tem dúvidas de que seria o melhor candidato a Belém, melhor do que Marcelo Rebelo de Sousa ou do que Rui Rio. “Eu estava convencido de que podia fazer bem ao meu país. Ninguém tem a experiência que eu tenho. Eu conheço a realidade do país como nenhum dos candidatos [referindo-se a Marcelo e Rio, mas também a Maria de Belém, de quem disse “não ter experiência” na vida pública]. Mas cada um tem a vida que tem. Eu considero que os outros candidatos têm uma disponibilidade maior do que eu — pelo mandato que tenho como provedor da Santa Casa — para avançar.”

Santana Lopes sempre assumiu que a decisão de avançar ou não dos candidatos à Presidência da República devia ser anunciada antes do verão. “Eu sempre admiti, se a minha decisão fosse a de me afastar, anunciá-la mais cedo. Admiti que a melhor altura seria antes da legislativas, na primavera, para que os portugueses soubessem quem avançava ou não.” E porque não o fez nessa altura? “Levantou-se um coro que considerou inadequado esse momento, por isso não o fiz. Diziam que fazê-lo antes das legislativas seria prejudicar os partidos. Marcelo Rebelo de Sousa foi o primeiro a defender isso, mas o meu partido também fez manifestações, mais ou menos públicas, nesse sentido. E o CDS também.” Questionado sobre se Pedro Passos Coelho ou alguém do partido falou com ele, convencendo-o a afastar-se, Santana esclareceu que “em privado ninguém falou comigo.” Ou seja, que Passos não o travou diretamente.

Mas a principal razão para o afastamento: as sondagens. “As sondagens, os estudos de opinião, a vontade dos portugueses, tudo pesou na decisão. Tive que pensar se ia contra tudo e todos, ou se o meu dever maior era o de ser provedor. Mas sei que teria muita gente a apoiar-me, atenção. Mas eu só avançaria se tivesse fortes probabilidades de vencer. E questionei-me: onde é que eu posso ser mais útil, na Presidência ou na Santa Casa? As pessoas, na rua ou mais próximas de mim, diziam-me para não sair da Santa Casa.”

Sobre quem vai apoiar, se Marcelo se Rui Rio, Santana não abre o jogo, mas diz que com Rio tem “uma relação cordial” e que “fala” com Marcelo, apesar do comentador da TVI “ter tentado deitar abaixo” o seu Governo quando foi primeiro-ministro. Ainda assim, admite – “talvez” – vir a decidir-se sobre um deles, caso avancem os dois. Tudo dependerá da campanha.

Num entrevista longa e onde procurou explicar em detalhe tudo o que o levou a tomar a decisão, o ex-primeiro-ministro deixou ainda duras críticas à forma como tem sido feita a pré-campanha, “sem elevação”. “Não me revejo no tipo de pré-campanha presidencial que tem sido feito, não tem elevação. A Presidência deve ser disputada por quatro ou cinco pessoas com calma, serenidade, empenho. Não se deve basear nesta democracia de truques, combinatas, suposições, de pôr minas e armadilhas por baixo das outras pessoas”, disse, admitindo que “foi desse jogo” que quis sair.

Se vai avançar mais algum candidato à direita (Santana elogiou Durão Barroso) ou se algum vai ter que desistir, de uma coisa Santana Lopes não tem dúvidas: “Para mim nunca foi um problema haver mais do que um candidato à direita. Mas quem tomou a decisão de não se candidatar, não deve guardar o anúncio para mais tarde, alimentando especulações. Todos deveriam ter dito, logo na primavera, se estavam ou não disponíveis. Eu não quero perturbar as eleições, por isso afasto-me.”

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD

Cá a direita vale menos do que na Venezuela? /premium

Miguel Pinheiro
271

Se o PSD é um partido de esquerda, então a direita em Portugal está reduzida ao CDS. Ou seja, vale 7%. Ou menos. Como nem na Venezuela a direita é tão tristemente exígua, alguém anda enganado.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)