Novo Banco

BES Investimento passa a chamar-se Haitong Bank

Banco Espírito Santo de Investimento (BESI) vai passar a denominar-se Haitong Bank, informou hoje a empresa chinesa. Venda pelo Novo Banco aos chineses está fechada.

José Maria Ricciardi continua como presidente da instituição.

Vítor Rios/ Global Imagens

O Banco Espírito Santo de Investimento (BESI) vai passar a denominar-se Haitong Bank, informou nesta segunda-feira a empresa chinesa, no mesmo dia em que a operação de compra do banco de investimento ao Novo Banco ficou fechada.

O Haitong Bank informou, num comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) que “foi determinado alterar a denominação social de ‘Banco Espírito Santo de Investimento, S.A.’ para ‘Haitong Bank, S.A.'”.

O Novo Banco concluiu hoje a venda da totalidade do capital da unidade de investimento à sociedade de Hong Kong por 379 milhões de euros, segundo um comunicado publicado no supervisor do mercado de capitais português.

Na sequência do comunicado de 8 de dezembro de 2014, o Novo Banco informou que “concluiu, na presente data, a venda à sociedade Haitong International Holdings Limited, sociedade constituída em Hong Kong, subsidiária integralmente detida pela Haitong Securities uma sociedade cujas ações se encontram admitidas à negociação na Shanghai Stock Exchange e na Stock Exchange of Hong Kong Limited), da totalidade do capital social do Banco Espírito Santo de Investimento S.A. (BESI), pelo preço de 379 milhões de Euros”.

A venda do banco à empresa chinesa foi comunicada à CMVM a 4 de dezembro de 2014, tendo ficado o negócio dependente das necessárias aprovações, nomeadamente junto do Banco de Portugal, da Comissão Europeia, das autoridades da concorrência e de um conjunto de outras autoridades que exercem supervisão direta sobre a entidade compradora.

A 03 de agosto do ano passado, o Banco de Portugal tomou o controlo do BES, após a apresentação de prejuízos semestrais de 3,6 mil milhões de euros, e anunciou a separação da instituição em duas entidades: o chamado ‘banco mau’ (um veículo que mantém o nome BES e que concentra os ativos e passivos tóxicos do BES, assim como os acionistas) e o banco de transição, que foi designado Novo Banco.

O BESI, aquando da resolução do BES, transitou para o Novo Banco.

Esta foi a primeira aquisição da Haitong fora da China — a operação custou 379 milhões de euros – e é também considerada uma das maiores operações do género efetuadas nos últimos anos por empresas financeiras chinesas.

Conforme o acordo celebrado com o Novo Banco português, a compra foi feita através de uma subsidiária do grupo, a Haitong Internacional Holding Limited (HTIH), criada em 2007 em Hong Kong para “realizar investimentos e desenvolver ações no estrangeiro”.

No comunicado enviado à agência Lusa em Pequim, a Haitong descreveu o então BESI como um banco de investimento com “forte rentabilidade e alta eficiência operacional”.

“A rede de distribuição e a base de clientes do BESI são boas”, o que permitirá à Haitong “ganhar capacidade nos mercados maduros da Europa e nos mercados emergentes de América do Sul e África”, destacavam.

Além das filiais em Londres, Madrid, Nova Iorque e Varsóvia, o BESI, cujo presidente é José Maria Ricciardi, tem sete subsidiárias fora de Portugal, duas das quais no Brasil e outras tantas no Reino Unido.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Impostos

Que ficou por fazer na tributação das mais-valias?

Gonçalo Bastos Lopes e Catarina Ribeiro Caldas

Pena foi que não se tenha aproveitado o OE 2019 para proceder à revisão do regime de tributação das mais-valias, devolvendo-lhe coerência e eliminando o potencial de litígio entre contribuintes e a AT

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)