Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A polícia sueca está a tratar o assassínio de duas pessoas numa escola esta quinta-feira como um crime racista. Com base no que foi encontrado em casa do atacante e no comportamento que este demonstrou enquanto dava golpes de espada nas vítimas, as autoridades acreditam que ele tinha simpatia por movimentos racistas de extrema-direita.

Anton Lundin Pettersson, de 21 anos, entrou numa escola de Tröllhattan, perto de Gotemburgo, mascarado de Darth Vader e armado com uma espada, que usou para atacar quatro pessoas, duas das quais — um professor e um aluno de 17 anos — acabaram por morrer. Também o atacante morreu, abatido a tiro pela polícia, que procura agora saber o que esteve na origem do ataque.

“Podemos afirmar que este foi um crime de ódio racial, porque o homem escolheu as suas vítimas com base na cor da pele. Chegámos a esta conclusão tendo em conta o que encontrámos quando revistámos o apartamento dele e o comportamento que mostrou durante o ato”, afirmou Niclas Hallgren, chefe da polícia local, à rádio pública sueca. 

Antes dos esfaqueamentos, Petterson tirou fotografias com alguns estudantes, que pensaram que ele estaria disfarçado para o Halloween, uma vez que a máscara se assemelhava à da personagem Darth Vader, dos filmes Star Wars.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR