Os banqueiros ouvidos esta quarta-feira pelo Presidente da República defenderam a estabilidade, realismo e compromissos sólidos em relação aos compromissos internacionais por parte do futuro Governo. 

O presidente executivo do Millennium BCP, Nuno Amado, afirmou esta quarta-feira estar “bem confiante” de que “um futuro novo governo” irá dar atenção à necessidade de estabilidade para manter a confiança e o investimento.

À saída de uma audiência, de cerca de 40 minutos, com o Presidente da República, Nuno Amado disse ter defendido junto de Cavaco Silva “que o essencial é cumprir os compromissos mais importantes que o país tem ao nível europeu”. Recusando responder a perguntas e com apenas uma declaração aos jornalistas, o presidente do banco considerou que para a manutenção dos compromissos assumidos “o papel do Orçamento [do Estado] é de charneira” – e defendeu a necessidade de “manter uma certa estabilidade de enquadramento e de regimes fiscais em Portugal para que a confiança e o investimento possam continuar”.

“Estou bem confiante que [estes aspetos] vão ser objeto de atenção por parte de um futuro novo governo”, acrescentou.

Fernando Ulrich, do BPI, pede rigor nas finanças públicas

À saída da audiência com Cavaco Silva, o presidente do BPI, Fernando Ulrich, foi mais sintético. “Só com o rigor nas finanças públicas e estabilidade no sistema financeiro será possível continuar a melhorar de forma gradual e sustentável as condições de vida dos portugueses”, afirmou Fernando Ulrich, sem querer adiantar mais sobre a conversa com o Presidente da República.

O presidente do BPI disse ainda confiar que António Costa e o PS “terão o sentido de responsabilidade necessário para manter o país num caminho de rigor”. E elogiou o trabalho de Passos Coelho. “É indiscutível que o país está hoje numa situação, que é exigente, mas que é muito mais tranquila do que aquela que tínhamos quando o Governo do Dr. Passos Coelho tomou posse”, afirmou Fernando Ulrich. 

… Stock da Cunha, do Novo Banco também

Pouco depois, Stock da Cunha – presidente do conselho de administração do Novo Banco – defendeu que Portugal deve manter a trajetória de “consolidação das finanças públicas” e de “melhoria da posição externa”. 

“Na nossa opinião, Portugal vai ter que continuar a garantir junto dos mercados internacionais que honra os seus compromissos, que é uma pessoa de bem, e que a trajetória que temos vindo a ter de consolidação de finanças públicas e de melhoria da nossa posição externa se mantém e não é interrompida”, afirmou.

Questionado sobre os efeitos de uma eventual demora na resolução da atual situação política na venda do Novo Banco, Stock da Cunha afirmou “aceitar e respeitar” as opções que o Presidente da República tem “e assumir isso com a maior das tranquilidades”. Stock da Cunha desdramatizou os resultados dos testes de stress do Novo Banco – que deram conta da necessidade de uma recapitalização de 1.500 milhões de euros, problema detetado no pior cenário testado pelas autoridades europeias.

“O Novo Banco continua no seu processo de recuperação, tem uma situação de liquidez perfeitamente confortável. É um banco como qualquer outro banco do sistema financeiro português, dependente da situação da economia portuguesa. Não nos sentimos diferentes de qualquer outro banco.” 

Vieira Monteiro, do Santander, defende um “um governo forte e estável”

Mais perto da hora do almoço, o presidente da comissão executiva do Santander Totta explicou ter transmitido a Cavaco Silva que “Portugal necessita de ter um governo forte e estável e que cumpra as suas obrigações internacionais“. Isto porque só desta forma “poderá continuar as reformas e poderá vir a ter mais investimento estrangeiro, que tão necessário é ao país”.

Além disso, para Vieira Monteiro a justiça social é “fundamental” ao desenvolvimento de Portugal e para a “diminuição do desemprego”, afirmou à saída da audiência com o Presidente da República.

José de Matos, da CGD, diz ser importante “salvaguardar” a “estabilidade macroeconómica para o país”

Na opinião do presidente da Caixa Geral de Depósitos “é importante salvaguardar as condições de estabilidade do sistema financeiro e a estabilidade macroeconómica para o país”, citado pelo Jornal de Negócios (via Lusa). Numa declaração curta e não adiantando muito daquilo que conversou com Cavaco Silva, José de Matos afirmou ter tido “oportunidade de falar com o Sr. Presidente da República sobre a situação do sistema financeiro e, em particular, sob a perspectiva da CGD”. 

José Félix Morgado, do Montepio, preocupado com instabilidade

O presidente do conselho de administração executivo da Caixa Económica Montepio Geral destacou a importância de honrar os compromissos internacionais para assegurar um quadro de investimento, preocupando-se com eventuais impactos sociais de um clima de instabilidade e retrocesso. “O interesse nacional implica, de facto, o honrar dos compromissos” que o país assumiu em termos internacionais, “designadamente do tratado orçamental”, disse, considerando que só com a consolidação das finanças públicas, a redução do défice e a redução da dívida pública é que se “conseguirá assegurar um quadro de investimento e de confiança dos investidores que é necessário para a criação de emprego e para de facto se continuarem as reformas estruturais”. “Esse é um tema que nos preocupa. Nós somos o banco da economia social e portanto preocupam-nos os impactos sociais que um clima de instabilidade e um clima de retrocesso pode ter”, disse, numa declaração sem direito a perguntas.

Faria de Oliveira pede “lucidez e realismo”

O presidente da Associação Portuguesa de Bancos, após a audiência com Cavaco Silva, afirma: “Creio que todos os portugueses desejam que o próximo governo que venha a ser constituído tenha capacidade de ação estratégica, muita lucidez e grande realismo”.

Após aquela que foi a última audiência de Cavaco Silva com os banqueiros, Fernando Faria de Oliveira afirma que, para que tal aconteça, “é necessário criar um clima de confiança e de segurança junto dos cidadãos” e “junto dos mercados” tanto os financeiros, como os políticos. Nesse sentido, na opinião de Faria de Oliveira, é também necessário a “garantia de cumprimento” dos “compromissos internacionais, europeus e outros”, prossiga. E, ao mesmo tempo, “assegurar que se prosseguirá o rigor das finanças públicas e que se acelere a trajetória de crescimento económico”.

“O crescimento está intimamente ligado ao investimento e com a capacidade de financiamento das empresas”, continuou o presidente da Associação Portuguesa de Bancos, acrescentando que é fundamental “criar condições para atrair e mobilizar, e dar segurança, aos investidores”. Faria de Oliveira falou a ainda na necessidade de um “contributo do governo para a estabilidade do sistema financeiro”.