No rescaldo dos atentados de Paris no dia 13 de novembro que vitimaram 130 pessoas, a Alemanha começa agora a preparar a sua intervenção na luta contra o Estado Islâmico.

O plano prevê o envio de mais de mil tropas como apoio à coligação militar que combate atualmente o ‘Daesh’ na Síria. Em declarações ao jornal alemão Bild, o chefe do Estado Maior das forças armadas germânicas, Volker Wieker, revelou que irão ser mobilizados cerca de 1.200 militares para operar a força aérea e naval na zona do conflito.

O general da Bundeswehr (forças armadas alemã), confirmou também que o dispositivo vai incluir um avião para missões de reconhecimento, bem como jatos de combate e um navio para escoltar o porta-aviões francês. Para além disso a Alemanha já iniciou conversações com a Jordânia e a Turquia para implementação de possíveis bases militares nestes territórios: “De um ponto de vista militar, vão ser necessários cerca de 1.200 soldados para operar os aviões e navios”, afirmou Wieker. Também segundo a agência francesa AFP, Berlim vai enviar uma fragata e aviões de reconhecimento e de reabastecimento para apoiar as forças da coligação internacional que estão a bombardear alvos dos ‘jihadistas’ na Síria.

No entanto, o Parlamento alemão tem ainda que aprovar este plano de ação e, assim que isso aconteça, Volker Wieker já confirmou que o destacamento será enviado.

Entretanto, o Conselho de Ministros da Alemanha aprovou formalmente esta terça-feira a intervenção das suas forças armadas na luta contra o grupo extremista Estado Islâmico na Síria, numa missão que poderá mobilizar até 1.200 militares.