455kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Como funciona o processo de impugnação de Dilma Rousseff

Este artigo tem mais de 5 anos

A aprovação do relatório a favor do impeachment da presidente do Brasil é apenas mais um passo de um longo processo. Conheça-o na infografia a seguir.

Dilma Rousseff classifica de “inconsistentes e improcedentes” as razões do pedido de impugnação de seu mandato
i

Dilma Rousseff classifica de “inconsistentes e improcedentes” as razões do pedido de impugnação de seu mandato

AFP/Getty Images

Dilma Rousseff classifica de “inconsistentes e improcedentes” as razões do pedido de impugnação de seu mandato

AFP/Getty Images

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

(Texto publicado originalmente a 4/12/2015 e atualizado a 11/04/2016)

Impeachment. A palavra faz parte do vocabulário dos brasileiros desde que Fernando Collor, o primeiro presidente do país eleito democraticamente, foi afastado do poder em 1992 acusado de corrupção e lavagem de dinheiro. Os ex-presidentes Fernando Henrique Cardoso e Lula da Silva sofreram 17 e 34 denúncias de impugnação, respetivamente, segundo um levantamento realizado pelo jornal Gazeta do Povo – mas nenhum chegou a ser aceite pelo Presidente da Câmara dos Deputados do Brasil.

Nos cinco anos à frente da presidência do Brasil, Dilma Rousseff também já teve de se deparar com esta ameaça, sobretudo em março e setembro de 2015, durante os protestos populares realizados em algumas cidades do país. No entanto, a ameaça tornou-se real apenas quando Eduardo Cunha, presidente do Casa Legislativa, anunciou a aceitação do requerimento que solicita o fim do mandato da presidente em dezembro de 2015.

O processo de impugnação do mandato de Dilma Rousseff avançou mais uma passo esta segunda-feira com a aprovação do relatório favorável à destituição da presidente pela comissão especial parlamentar, responsável por debater o processo.

O processo vai a votos na Câmara dos Deputados esta semana e necessita de dois terços de votos favoráveis para subir ao Senado Federal, onde também terá de reunir o apoio de dois terços dos senadores.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Complicado? O Observador detalha numa infografia onde começou e como pode terminar o processo de impugnação de Dilma Rousseff, para que fique a conhecer os passos que podem definir o futuro da presidente do Brasil. É só passar o rato nos pontos em destaque.

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.