As eleições presidenciais de janeiro poderão ser as mais disputadas de sempre, mas não serão as mais dispendiosas de sempre. Pelo menos, a avaliar pelos orçamentos que os dez candidatos apresentaram no Tribunal Constitucional. Ao todo, estimam gastar cerca de 3,4 milhões de euros. Há cinco anos, só Cavaco Silva, admitia gastar mais de dois milhões. Edgar Silva é o candidato que à partida irá gastar mais, 750 mil euros. E Marcelo Rebelo de Sousa, que é dos mais conhecidos, o que diz que vai gastar menos.

Na folha dos números, há três que se destacam no topo dos que admitem gastar mais dinheiro: Edgar Silva (orçamentou 750 mil euros em despesa), candidato apoiado pelo PCP, e os dois candidatos que dividem o PS, Sampaio da Nóvoa (742 mil euros em despesa) e Maria de Belém Roseira (650 mil euros em despesa). Mas isto não significa que venham a ser os que mais vão gastar. Isto porque há anos que a Entidade das Contas e Financiamento dos Partidos alerta para o facto de muitas candidaturas entregarem orçamentos abaixo daquilo que acabam por gastar efetivamente.

O orçamento que mais surpreende é o de Marcelo Rebelo de Sousa. O homem que está à frente nas sondagens diz que apenas vai despender 157 mil euros para a campanha até Belém. O candidato apoiado pelo PSD e pelo CDS não inscreveu nenhuma verba de apoio dos partidos.

Na lista dos restantes candidatos, Marisa Matias, candidata apoiada pelo BE, inscreveu quase meio milhão de euros em despesa, sem esperar donativos do partido. Os restantes candidatos têm orçamentos mais modestos.

  • Henrique Neto – 275 mil euros
  • Jorge Sequeira – 123,5 mil euros
  • Paulo Morais – 93 mil euros
  • Cândido Ferreira – 60 mil euros
  • Vitorino Rocha e Silva (Tino de Rãs) – 50 mil euros

Nas contas que foram entregues, há ainda outra nota: os dois candidatos da área do PS, Sampaio da Nóvoa e Maria de Belém, foram os únicos que admitem ter receita superior às despesas. Contudo, se tal acontecer nas contas finais, terão de devolver o dinheiro.,