Rádio Observador

Violência Doméstica

Ataques a mulheres durante a passagem de ano chocam Alemanha

725

Polícia de Colónia, na Alemanha, recebeu cerca de 90 queixas de mulheres por assalto, assédio sexual e uma violação. Os crimes aconteceram na noite passagem de ano e estão a chocar os alemães.

Fogo de artifício na celebração do "réveillon" em frente à catedral de Colónia, na Alemanha, ocasião em que aconteceram os crimes

PATRIK STOLLARZ/AFP/Getty Images

Cerca de 90 mulheres apresentaram queixa por assalto, assédio sexual e, pelo menos, uma violação, que terão ocorrido durante as celebrações de passagem de ano de 2015 para 2016 no largo em frente à estação central de comboios de Colónia, na Alemanha, noticia a agência Reuters.

De acordo com a polícia, na noite do réveillon cerca de mil homens dividiram-se em vários grupos e levaram a cabo os ataques nas imediações da Catedral de Colónia onde muitas pessoas se juntaram para receber 2016 com um espetáculo de fogo de artifício.

Wolfgang Albers, chefe da polícia da cidade alemã, classificou os ataques como “uma nova dimensão de crime”. Albers adiantou, em conferência de imprensa, que os homens têm sido descritos pelas testemunhas como tendo “origem árabe ou norte africana” e maioritariamente entre 18 e 35 anos.

A vaga de violência está a causar indignação e revolta em toda a Alemanha, mas Aydan Ozoguz, comissário da Integração, já veio a público alertar para o perigo de colocar sob suspeita os milhares de refugiados a quem a Alemanha concedeu asilo. Henriette Reker, presidente da câmara de Colónia, afirmou que ser “inacreditável e intolerável o que aconteceu na véspera do Ano Novo”, mas que não havia nenhuma razão para acreditar que os envolvidos nos ataques seriam refugiados.

A chanceler Angela Merkel manifestou estar chocada com os ataques que levaram cerca de 150 pessoas a manifestarem-se em frente à Catedral de Colónia, na terça-feira à noite, para protestar contra a violência contra as mulheres. “Onde está senhora Merkel? O que tem a dizer sobre isto? Estamos assustados!”, lia-se num dos cartazes empunhados pelos manifestantes.

“Resposta firme”

Face aos acontecimentos, a chefe do governo alemão expressou, em comunicado, “indignação e repulsa em relação às ofensas e ataques sexuais, que exigem uma resposta firme do Estado de Direito […] Vamos fazer tudo para encontrar os responsáveis tão rápida e minuciosamente quanto possível, e puni-los, independentemente da sua origem”, refere o Politico.

Vários grupos, que se opõem à política de “portas abertas” de Angela Merkel, têm aproveitado os incidentes para exigir a alteração das políticas migratórias e de acolhimento da Alemanha, que em 2015 recebeu mais de um milhão de refugiados.

A líder do Alternative für Deutschland (AfD), partido da extrema-direita, Frauke Petry, deixou no Twitter uma pergunta para Angela Merkel: “Após a onda de crimes e ataques sexuais, será que a Alemanha já é ‘colorida e cosmopolita’ o suficiente para si, Senhora Merkel?”

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Jesus Cristo

Santos da casa também fazem milagres! /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
152

Todas as casas reais peninsulares descendem do profeta Maomé. Há uns séculos, este parentesco era muito indesejável mas ainda poderá ser de grande utilidade, se a Europa for ocupada pelo Islão.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)