Rádio Observador

Défice Público

INE adia comunicação do défice de 2015 a Bruxelas. Faltam os dados da dívida pública

INE adiou para 31 de março a primeira notificação do défice de 2015 por não estar disponível toda a informação. Adiamento deve-se à finalização com o Banco de Portugal de dados da dívida pública.

O Instituto Nacional de Estatísticas (INE) adiou a divulgação da primeira notificação ao abrigo do Procedimento de Défices Excessivos relativa ao ano de 2015 que define os números oficiais do défice e da dívida pública a enviar à Comissão Europeia. Esta decisão data de ontem e é fundamentada com o facto de não estar disponível toda a informação necessária.

Num esclarecimento prestado ao Observador, fonte oficial do INE diz que este adiamento deve-se “exclusivamente ao facto do Instituto Nacional de Estatística (INE) e o Banco de Portugal estarem a finalizar o tratamento metodológico e a consequente compilação dos dados da dívida pública para os quadros associados à notificação.”

O Banco de Portugal também fez um esclarecimento a este adiamento. A entidade disponibilizou ao Instituto Nacional de Estatísticas o “apuramento dos dados relativos ao cálculo da dívida pública de 2015 para efeitos da preparação da 1ª Notificação do Procedimento dos Défices Excessivos (PDE). No entanto, e para efeitos de finalização da Notificação, subsiste uma questão de natureza metodológica que está a ser tratada entre o Banco de Portugal e o INE.” Mas que não é explicada.

O Ministério das Finanças assegura igualmente que enviou para o INE, “atempadamente, toda a informação sobre as contas do Estado necessárias ao cálculo do défice e da dívida pública em 2015”. Em comunicado, diz que é, “pois, incorreta a informação noticiada (pelo Expresso) que imputa ao Ministério das Finanças responsabilidades num eventual atraso na divulgação oficial da primeira notificação de 2016 relativa ao procedimento de défices excessivos.

Esta notificação a Bruxelas calcula, ainda a título provisório, o valor do défice e da dívida pública que conta para as instâncias europeias. A informação deveria ter sido revelada esta quinta-feira, mas foi adiada para o dia 31 de março. O atraso na comunicação destes números é quase inédita segundo indicações recolhidas pelo Observador.

O INE manteve, contudo, a divulgação das contas nacionais do último trimestre e os principais agregados das administrações públicas, onde são calculadas as necessidades de financiamento do Estado, ou seja, o défice público. Os dados preliminares, entretanto anunciados, apontam para um défice de 4,4% do PIB em 2015, que descontado o efeito do Banif (1,4%) dá 3% do Produto Interno Bruto.

Estes dados apontam para um défice inferior às últimas revisões feitas pela UTAO (Unidade Técnica de Apoio Orçamental) que estimava um saldo negativo, excluindo o impacto do Banif, entre 3,1% e 3,5% do PIB e do próprio governo.

Atualizado com reações do INE e Banco de Portugal.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: asuspiro@observador.pt
Défice Público

Desta vez foi diferente? /premium

Helena Garrido
106

Ouvimos vários governos durante as últimas mais de duas décadas prometerem-nos que agora sim, as contas públicas estão controladas. Será desta vez diferente?

Crescimento Económico

Como vai o motor da nossa economia?

Luís Ribeiro

Estamos a viver “à sombra da bananeira” de uma alta imobiliária que alguns consideram já ser mais uma “bolha” do que um “boom”. É uma ilusão que se esfuma facilmente e é incapaz de arrastar a economia

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)