Rádio Observador

Bruxelas

PSD e CDS pedem para ver carta enviada a Bruxelas

192

Partidos da oposição vão fazer requerimento para conhecer a carta enviada pelo primeiro-ministro em Bruxelas. PS opôs-se a pedido conjunto e o Bloco afirmou que também quer conhecer o documento.

Getty Images

A carta enviada por António Costa a Jean-Claude Juncker causou confusão na comissão de Assuntos Europeus com o PSD e o CDS a associarem-se para fazer um requerimento ao primeiro-ministro de modo a terem conhecimento da missiva enviada a Bruxelas. PSD questiona o porquê do Governo estar a “esconder” o conteúdo da carta enviada à Comissão Europeia, enquanto o CDS quer conhecer o valor do défice para 2016 com que o primeiro-ministro se compromete com as instituições comunitárias.

Os dois partidos vão enviar um requerimento conjunto para que a Assembleia da República tenha conhecimento do conteúdo da carta na íntegra — até agora só foram conhecidos alguns trechos através da comunicação social. O CDS, através dos deputados Pedro Mota Soares e Filipe Anacoreta Correia, insistiu durante toda a audição de Margarida Marques, secretária de Estados dos Assuntos Europeus, no Parlamento que a governante explicasse o que é que consta na carta enviada por António Costa a Bruxelas. A secretária de Estado confirmou o envio da carta a Bruxelas, mas não adiantou o seu conteúdo, dizendo aos deputados que iria transmitir o seu interesse em conhecer a missiva ao gabinete do primeiro-ministro. A decisão de divulgação, segundo Marques, estaria sempre com o primeiro-ministro.

A presidente da comissão dos Assuntos Europeus, a deputada social-democrata Regina Bastos, afirmou então que iria dirigir um convite ao primeiro-ministro para divulgação da carta já que a maioria dos grupos parlamentares expressava essa vontade. No entanto, o PS tinha já referido anteriormente que tal como António Costa afirmara, a correspondência entre o primeiro-ministro e as instituições europeias diz respeito à relação entre o governante e essas mesmas instituições, explicou o deputado Vitalino Canas. Depois do anúncio da presidente da Comissão, Jorge Lacão, deputado do PS, pediu a palavra para explicar que Regina Bastos não poderia pedir nada em nome de todos os deputados já que “um presidente de comissão não tem competência autónoma”.

Regina Bastos emendou a sua afirmação e disse que se associava à comunicação de Margarida Marques ao primeiro-ministro. “Incorri num excesso de voluntarismo”, afirmou mesmo a presidente da comissão de Assuntos Europeus. Já o PSD, através do deputado Duarte Marques, questionou o que é o PS tinha a esconder e se não queriam ver a carta. Instado a tomar posição, o Bloco de esquerda afirmou que não se opunha a conhecer o conteúdo da carta e o PCP disse que ainda não tinha posição sobre este tema.

Sem solução conjunta, no final da audição, o PSD e o CDS afirmaram o envio de um requerimento ao primeiro-ministro para que o Parlamento tenha acesso à carta. “O PSD está bastante preocupado com a falta de transparência no Governo e considerámos oportuna e importante a divulgação da carta no âmbito das funções de escrutínio que Parlamento tem”, afirmou Duarte Marques.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Combustível

Os motoristas e o mercado

Jose Pedro Anacoreta Correira

Quando o Governo não consegue instrumentalizar politicamente os sindicatos, passa ao ataque. A luta e defesa dos trabalhadores é só para trabalhadores do Estado e filiados na CGTP.

PSD

Rui Rio precisa do eleitorado de direita /premium

João Marques de Almeida

O eleitorado de direita deve obrigar Rui Rio a comprometer-se que não ajudará o futuro governo socialista a avançar com a regionalização e a enfraquecer o Ministério Público. No mínimo, isto.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)